Vinho Fino ou Vinho de Mesa?

No Brasil temos um consumo baixíssimo de vinhos ainda, o qual gira em torno de 2 litros por pessoa ao ano e, na sua maioria, refere-se aos vinhos de mesa, aqueles tradicionais e mais simples.

Mas você sabe a diferença entre eles e porque tem diferenças de preços?

  1. Uvas utilizadas: Nos vinhos finos as uvas utilizadas são da espécie vitis vinífera, que dá resultados mais interessantes pós fermentação (transformação do açúcar da uva em álcool) enquanto nos vinhos de mesa as uvas geralmente são as chamads vitis americanas, mais aptas ao consumo direto, de mesa e que, ao fermentarem, não ganham complexidade como as viníferas. as viníferas, inclusive, tem casca mais grossa e são menorzinhas. Na foto abaixo é possível ver a diferença de tamanho entre ambas:

vinho Fino ou Vinho de Mesa

2. No rótulo: Quando no rótulo estiver escrito Vinho Fino ou Vinho Fino de Mesa, ele foi obrigatoriamente elaborado com vitis vinifera, já o Vinho de Mesa, com uvas americanas.

3. Na hora de degustar: Os vinhos de mesa são mais rústicos, intensos e muitas vezes adocicados. Os vinhos finos, por sua vez, tem uma complexidade aromática maior, sutilezas e equilíbrio e, quando doces, o são em razão de processo próprio de elaboração (para entender leia aqui).

Ambos passam por controle sanitário e regramentos do Ministério da Saúde, Agricultura e Anvisa, porém o processo de cultivo das uvas no caso das vitis viníferas é muito mais atencioso, elaborado e também caro, tudo com o intuito de obter uvas perfeitas e vinhos também próximos a perfeição. As cantinas de produção, processos de envelhecimento (seja em barricas ou outros recipientes) também são muito mais avançados. Isso tudo impacta no preço dos vinhos, razão pela qual sempre serão mais caros.

Keli, tem problema eu tomar só vinho de mesa?

NÃO! Beba o que achar melhor e o que seu bolso permitir. A indústria do vinho de mesa alimenta famílias há pelo menos um século e deve ser valorizada, mas se tiver a chance, opte por vinhos finos e viaje com a gente nessa infinidade de sabores, aromas e sensações que essa bebida incrível proporciona.

Em tempo:

os vinhos chamados coloniais também são considerados vinhos de mesa, porém com formas menos rígidas de elaboração e “industrialização”.

Aliás, quem nunca tomou vinho de mesa, de garrafão? O problema é quando você está usando uma inexplicável antena para isso!

Até a próxima coluna, Keli Bergamo.

Leia também...

Deixe um comentário