A vida social é uma das faculdades mais importantes da vida humana.

É com muita alegria que começo a escrever sobre as programações culturais, as noites e os eventos de Curitiba para a revista AE.

Buscarei ser prático nas informações, tendo em vista a promoção de lugares menos conhecidos mas que não deixem de ser interessantes e que valham a visita.

Sugestões são sempre bem vidas. Não pretendo aqui ter a última palavra sobre nada. São sugestões, afinal de contas. Sugestão de pessoas que me indicaram ou que eu já tenha ido e que frequento.

Para esta semana, começo com lugares que realmente já visitei e que gostei muito. Separarei por categorias como gastronomia, música, gastronomia & música, museus, teatros, cinemas, literatura e pontos bacanas de Curitiba (turísticos ou não).

Eu, particularmente, gosto de fazer programas ora em grupo ora sozinho. Então, deixarei um aviso para os programas legais para se fazer sozinho.

Gastronomia & música

O parque à noite, quando o sino soou (…)
Essas coisas tolas me lembram de você

 These Foolish Things (Remind Me Of You)
Nat King Cole

Talvez tenha sido com o meu padrasto que eu tenha criado o gosto pelo Jazz. Eu amo. E foi ouvindo cada vez mais que o amor cresceu a ponto de eu deixar de sair com os meus amigos para uma noite de Jazz com o meu padrasto e com a minha mãe. E foi há pouco tempo que fomos no

Bar o Pensador

Um bar diferente. Com mais de 60 rótulos de cerveja e mais de 14 tipos de chopp, o Jazz soa como algo que faz parte da decoração. O atendimento é ótimo e a comida também. O cardápio é pequeno, mas como diz no nome, é um bar. Para os amantes do estilo, não são todas as noites que toca Jazz. É melhor conferir a programação antes de ir!

Rua Visconde do Rio Branco, 766 – Mercês

Tel.: (41) 3154-0011

Site.: pensadorbar.com.br

Gastronomia

Um dos meus lugares preferidos em Curitiba é a Rua Vicente Machado. É lá que as pessoas estão se encontrando desde o ano passado com mais frequência. Por lá se vê pessoas com ternos e gravatas, meninas com vestidos, meninos e meninas com shorts e tênis. É bem interessante ver as diferentes pessoas juntas conversando, tomando um chopp e comendo um hambúrguer no

Whatafuck!

É um lugar com poucos lugares para sentar. A maioria das pessoas come em pé. Pessoas que acabaram de sair do trabalho, ou que estão fazendo o famoso “esquenta”. O chopp é gelado e o hambúrguer, quando está com muito movimento, sai em 20 minutos. Através de senhas, você vai até o balcão e retira seu pedido. É um lugar alternativo para quem não quer gastar muito e quer conhecer novas pessoas.

Avenida Vicente Machado, 845 – Centro

Música

Eu oscilo entre gostar e não gostar tanto assim de música eletrônica. Acho que acontece isso com todo o mundo. Até porque, como já disse um pouco mais acima, gosto muito de jazz. Mesmo assim, procuro ouvir de tudo um pouco. E para quem gosta, sugiro o

Warung Day

Para quem gosta de música eletrônica, você pode aproveitar o seu sábado, que promete ser de muito sol, dançando na Pedreira Paulo Leminski. O evento começa logo depois do almoço e a última atração é as 23h30. O evento leva o mesmo nome da balada em Balneário Camboriú que preza pela natureza e pela música eletrônica de qualidade. E tem tudo a ver com a exigente e ecológica Curitiba.

Museu

“Só mesmo um velho
para descobrir,
detrás de uma pedra,
toda a primavera.”

Paulo Leminski

 Em museus eu gosto de ir sozinho. Gosto de ficar algum tempo a mais em alguma obra que mexe comigo e as vezes poucas em outras. Gosto de tomar o meu tempo quando o assunto é arte. E isso não é problema nenhum. Já vi gente que chorou vendo a Mona Lisa, se apertando para tirar uma foto da coitada, presa numa moldura pequena e outras que gastam horas com lupas em obras desconhecidas. Foi por respeitar o meu tempo que fui sozinho no

MIS – Museu da Imagem e do Som do Paraná

O lugar estava fechado desde 2003 para restauração e foi reaberto nesta terça (13). Enquanto isso, o acervo estava em locais alternativos. Fui dois dias depois da abertura e posso dizer: ma ra vi lho so. Realmente fui sem pretensão alguma e me encantei com o lugar. Desde as obras, relíquias como máquinas fotográficas e TVs antigas, como poemas de Paulo Leminski e pela própria arquitetura do lugar.

Desde a entrada, você consegue ver o poder da casa: antiga, com paredes ainda com sua pintura original, escadas de madeira, piso que range, colunas incríveis. Muito interessante observar que, em algumas salas, só uma parte da pintura original ficou intacta, em outras, as paredes foram repintadas. Vale a observação. Ainda lá, você pode ter acesso as sacadas que dão uma linda vista do centro de Curitiba e da rua Barão do Rio Branco. A entrada é franca. Um conselho? Vão!

Rua Barão do Rio Branco, 395 – Centro

Cinema

Adoro ir ao cinema. Claro que tenho conta no Netflix e claro que assisto series e filmes. Mas ir ao cinema é tudo de bom. Pegar a pipoca, escolher os assentos, rir quando ninguém riu, chorar quando as luzes acendem, eu amo. E eu adorei quando o

Cinemark – Clássicos

Começou a restaurar alguns filmes antigos e trouxe de volta para o escurinho do cinema. A última vez que fui, assisti Tom Hanks em “Forest Gump – O contador de histórias”. Amei muito. Me senti como se não estivesse em pleno século XXI (o filme é de 1994).

Agora está passando em Curitiba o “Beleza Americana”. Nunca assisti a esse filme, mas só por ser um filme fora dos grandes blockbusters em que estamos acostumados, já vale a ida.

Teatro & Literatura

Vou usar o teatro para também falar de literatura. Fiz teatro um bom tempo da minha vida e acho algo mágico. Para mim, é o teatro que nos faz cair na realidade: a vida não é perfeita. Estamos acostumados com o happy ending, o photoshop, as edições, os efeitos especiais. E esquecemos que a vida não é assim. A gente esquece as falas, esquece a hora de entrar, engasgamos, pagamos mico, recebemos aplauso ou levamos críticas. É a vida, como uma maré: sobe e desce. Por isso que

O Fantasma de Canterville – Teatro Lala Schneider

É uma boa pedida para o fim de semana. Ainda não assisti à peça, mas veja só, é teatro. E para quem não sabe, o Fantasma de Canterville foi escrito por Oscar Wilde, o mesmo que foi preso por escrever O Retrato de Dorian Gray, em Londres, no século passado (vale a pesquisa).

Mesmo que você não goste de teatro, faz bem assistir uma peça. É o nosso lado humano em ver a vida como ela é. Acredito que teatro mais Oscar Wilde, não tem como dar errado.

Rua Treze de Maio, 629 – Centro

Curitiba

O tempo tende a ficar bom todo o final de semana. E com o tempo bom, meus parentes que dizem isso, é um pecado desperdiçar em lugar fechado. E eu também acho. Saia de bicicleta, ande pela cidade, vá aos parques, descubra Curitiba. Para quem tem filho, ou quer mesmo um lugar bom para andar de bicicleta, skate, roller ou para andar mesmo, recomendo a frente do

Palácio Iguaçu

Eu sei que é na frente de um local do poder público e domingo está aí! Mas as manifestações estão marcadas na praça Santos Andrade (pró-impeachment) e na Rui Barbosa (contra o impeachment).

Na frente do Palácio, o piso é bem lisinho e tem uma leve descida onde as crianças treinam suas primeiras pedaladas de bike, ou o primeiro empurrão do skate. Os pais ficam radiantes vendo seus filhos brincando. É uma delicia ficar ali e na frente do Palácio tem a Praça Nossa Senhora de Salete, que tem muitas árvores e locais para sentar. Que tal um piquenique?

Praça Rio Iguaçu – Centro Cívico

Por ora, essas são minhas dicas. Espero que tenham gostado. Sugestões, como já disse, são sempre bem vindas! Até a próxima.

E.M.

Leia também...

Deixe um comentário