VIAGEM GASTRONÔMICA – RIO GRANDE DO SUL

BOMMMMM DIAAAAAAAAAAAA meus amores. Olha o AE Gourmet voltando com novas histórias e dicas gastronômicas para vocês. E vamos continuar a viagem que iniciamos no ano passado pelos estados desse nosso Brasil maravilhoso. Um feliz 2017 para vocês!!!!

Charque, churrasco e chimarrão, são esses os elementos mais importantes na formação da cozinha do Rio Grande do Sul. Podemos afirmar, com toda certeza, que o churrasco é o símbolo gastronômico do gaúcho. O gado faz parte do cotidiano do gaúcho desde o final do século XVII, quando as primeiras cabeças chegaram aos pampas trazidas do sul através do rio Uruguai, no início da colonização, quando os padres jesuítas ensinaram os índios catequizados como criar os animais para obter leite, cerne e couro. O abate era controlado para que o rebanho pudesse crescer. Com o fim das missões jesuítas, o boi passou a ser criado solto, espalhando-se pelos pampas e, por não ter predador natural, o rebanho cresceu e multiplicou-se. Os tropeiros, que faziam a ligação comercial entre o sul do país com a região mais desenvolvida da época (sudeste), caçavam os animais, nas chamadas vacarias, para obter carne e couro.

A carne era cortada em mantas e desidratada com sal grosso para que assim pudesse ser conservada. Foi assim que surgiu o CHARQUE. Couro e charque eram transportados em carros de boi, e seus condutores, chamados de carreteiros, cozinhavam a carne com arroz, dando origem a um dos pratos gaúchos mais conhecidos, o arroz de carreteiro.

arroz de carreteiro

Como na maioria das cozinhas brasileiras, a culinária sul-rio-grandense teve influência portuguesa, espanhola e indígena, sendo deste a maior contribuição em termos de técnica, que foi o fogo de chão. Os índios colocavam carnes e peixes em um buraco forrado com folhas verdes, terra e galhos nos quais ateavam o fogo. Com o calor da terra aquecida era possível assar a carne, que ficava com aroma liberado das folhas. Foram os portugueses e os espanhóis que passaram a usar espetos de madeira ou grelha feita de varas para assar a carne, sempre sobre brasas ou labaredas acesas dentre de um buraco.

Apesar de não ser uma criação gaúcha, foi nas terras do Sul que o churrasco tornou-se popular. A costela bovina é o corte predileto entre os gaúchos mais tradicionalistas, que servem como acompanhamento apenas farinha de mandioca. Mas outros pratos podem acompanhar um bom churrasco, como o arroz branco, o feijão mexido, o quibebe e a paçoca de pinhão.

churrasco

Além do churrasco, outros pratos típicos da região chegaram com os imigrantes, principalmente os alemães e os italianos. Os primeiros a chegaram, em 1824, foram os alemães, que trouxeram o costume do café colonial. Os italianos chegaram em 1870, que costumavam prepara, em sua terra natal, a passarinhada, feita com pombos ou aves de caça, assada na brasa e servida com polenta. Porém, aqui no Brasil, eles utilizavam o frango com 25 a 30 dias de vida como substituto, fazendo surgir assim o galeto al primo canto, dando famas às galeterias da Serra Gaúcha.

café colonial

CAPELETTI IN BRODO

RENDE 8 PORÇÕES

Ingredientes

  • 3 litros de água
  • 1 peito de frango sem pele
  • 1 colher (sopa) de sal
  • 1 cenoura ralada
  • 500 g de capeletti de frango
  • 1 cubo de caldo de galinha
  • 1 pitada de noz-moscada
  • ¼ de xícara (chá) de salsa e cebolinha picadas
  • Sal a gosto

Modo de preparo

  1. Ferva a água e acrescente o peito de frango, o sal , a cenoura e deixe cozinhar durante 1 hora. Retire o peito de frango e reserve.
  2. Junte o capeletti e acrescente o caldo de galinha. Tampe a panela e deixe ferver por 10 minutos, caso prefira o capeletti al dente. Se quiser a massa mais mole, cozinhe mais alguns minutos. Adicione a noz-moscada.
  3. Desfie o peito de frango e adicione à sopa, junto com a salsa e a cebolinha. Acerte o sal e sirva.

capeletti in brodo

BOLO DE CARNE ALEMÃO

RENDE 3 PORÇÕES

Ingredientes

  • 600 g de carne bovina moída
  • 200 g de carne suína moída
  • 1 dente de alho picado
  • 1 cebola picada
  • 1 colher (sopa) de sal
  • 1 pitada de pimenta-do-reino moída
  • ¼ de xícara (chá) de salsinha e cebolinha picadas
  • 2 colheres (sopa) de extrato de tomate
  • 2 ovos
  • 3 pães franceses
  • ½ xícara (chá) de água
  • 2 colheres (sopa) de farinha de trigo

Ingredientes – Recheio

  • 3 ovos cozidos

Ingredientes – para pincelar

  • 3 colheres (copa) de azeite de oliva

Modo de preparo

  1. Misture as carnes em uma tigela. Acrescente o alho, a cebola, o sal, a pimenta, a salsinha, a cebolinha, o extrato de tomate e os ovos. Amoleça os pães na água, junte com as carnes temperadas e misture tudo com as mãos. Deixe descansar por 10 minutos.
  2. Enquanto isso, cozinhe os ovos para o recheio e descasque-os.
  3. Numa assadeira grande retangular, untada com azeite, faça 3 bolos redondos com a carne e em cada um deles coloque 1 ovo no meio. Pincele com o azeite e leve ao forno preaquecido a 250°C, durante 20 minutos, até dourar e ficar cozido internamente.

bolo de carne alemão

FEIJÃO MEXIDO

RENDE 4 PORÇÕES

Ingredientes

  • 2 colheres (sopa) de banha de porco ou óleo
  • 3 dentes de alho picados
  • 1 cebola média picada
  • 400 g de feijão-preto cozido com caldo
  • ½ xícara (chá) de farinha de mandioca
  • ½ colher (sopa) de molho de pimenta
  • 2 colheres (sopa) de salsinha e cebolinha picadas
  • 100 g de bacon em cubinhos

Modo de preparo

  1. Em uma panela, de preferência de ferro, aqueça a banha de porco e doure o alho, metade da cebola e o feijão cozido com caldo. Cozinhe por alguns minutos. Aos poucos, acrescente a farinha de mandioca, mexendo sempre por cerca de 3 minutos, até engrossar. Junte o molho de pimenta e desligue o fogo.
  2. Decore com a outra metade da cebola bem picada, bacon frito, a salsinha e a cebolinha.

feijão mexido

CUCA CASEIRA DE UVA

RENDE 10 PORÇÕES

Ingredientes – Massa

  • 4 xícaras (chá) de farinha de trigo
  • ½ colher (chá) de sal
  • ½ xícara (chá) de açúcar refinado
  • 1 ½ colher (sopa) de fermento biológico
  • 1 xícara (chá) de leite morno
  • ½ xícara (chá) + 1 colher (sopa) de manteiga
  • 2 ovos

Ingredientes – Cobertura/recheio

  • 2 cachos de uva preta (bordô)
  • 1 xícara (chá) +2 colheres (sopa) de açúcar refinado
  • 1 ¼ xícara (chá) de farinha de trigo
  • Raspas das cascas de 1 limão ou 10 gotas de essência de baunilha
  • ¼ de xícara (chá) de manteiga cortada em pedacinhos

Modo de preparo – Massa

  1. Coloque a farinha em uma tigela com o sal e o açúcar, abrindo um buraco no meio da farinha. Dissolva o fermento no leite e coloque no buraco formado na mistura de farinha. Faça movimentos circulares, de dentro para fora, até o líquido ficar incorporado à farinha. Amasse ligeiramente e deixe descansar por 15 minutos.
  2. Derreta a manteiga e adicione à massa. Junte os ovos. Sove bastante a massa, para que fique lisa e homogênea. Deixe descansar por 30 minutos. Unte uma fôrma retangular média e espalhe a massa. Reserve.

Modo de preparo – Cobertura/recheio

  1. Lave bem as uvas e tire dos cachos. Seque. Espalhe os bagos de uva por cima da massa.
  2. Prepare uma farofa, misturando o açúcar, a farinha, as raspas de limão (ou essência de baunilha) e a manteiga. Espalhe sobre as uvas com as mãos, criando farelos.
  3. Assem em forno preaquecido a 180°C, por 30 minutos, até a superfície começar a dourar.

cuca caseira de uva

Leia também...

Deixe um comentário