VIAGEM GASTRONÔMICA – PARANÁ

É com grande prazer que dou início, hoje, é uma séria de matérias que têm por objetivo mostrar um pouquinho da cultura gastronômica de cada estado desse nosso Brasil. Faremos uma viagem linda, saborosa por cada cantinho do nosso país, que é tão rico em belezas naturais, cultura e gastronomia. De norte a sul, leste a oeste, nossa viagem trará alguns dos melhores pratos de cada região, descobrindo temperos locais e revelando segredos que mostrarão o verdadeiro sabor brasileiro.

Eu não poderia começar essa matéria falando de outro estado que não fosse o nosso amado PARANÁ. Essas terras acolheram inúmeros imigrantes de outros países, os quais destacamos: italianos, japoneses, alemães, poloneses e ucranianos. Os traços mais marcantes da gastronomia típica paranaense sofreram uma grande influência polonesa, que trouxeram para cá pratos típicos como o pierogi, o bigos e o goulash.

pierogi

Pierogi

Mas não podemos esquecer a influencia dos tropeiros, com sua culinária rústica e saborosa. Entre os séculos XVIII e XIX o Paraná estava no auge do tropeirismo, sua principal atividade econômica na época. Paulistas vinham para o sul em busca do gado aqui criado, e com o passar do tempo começaram criar pontos de parada ao longo de suas rotas. Para o consumo próprio, eles traziam em sua bagagem alimentos que não pereciam ou que duravam muito tempo: charque, farinha de mandioca, milho, toucinho, arroz e feijão. Receitas como arroz de carreteiro, paçoca de charque, feijão tropeiro e quirera de milho sobreviveram ao fim dos tropeiros, a elas foram acrescentados ingredientes locais, e então passaram a fazer parte da alimentação regional.

A influência dos tropeiros não foi a única a marcar essa gastronomia. Não podemos esquecer os índios que aqui habitavam, e com eles veio o consumo do pinhão, semente da árvore-símbolo do Estado, a araucária.

Mas falando em pratos típicos, o que mais representa o Paraná é o BARREADO, e há duas versões para a sua origem. A primeira está associada ao entrudo, uma festa portuguesa que antecedo o carnaval. A segunda é considerada uma criação dos tropeiros, que desciam a Serra da Graciosa em direção ao litoral, e como o prato é um cozido bem temperado, ele durava mais tempo sem estragar. A data de criação deste prato é do século XVIII, foi consumido pela primeira vez no litoral durante as festas e comemorações. O barreado é feito com cortes de carnes menos nobres da carne bovina, como músculo, patinho ou acém. Os ingredientes são cozidos por cerca de 12 horas em uma panela de barro, que é hermeticamente fechada com uma massa feita de goma de farinha de mandioca. Após o cozimento, a carne se desmancha e é servida com farinha de mandioca, banana e rodelas de laranja.

Uma comida em trânsito, com os tropeiros levando charque e misturando-o ao pinhão, imigrantes trazendo novos sabores da Polônia, Ucrânia e Itália. Essa é a essência da culinária paranaense: uma gastronomia criada por viajantes.

pinhão

 

SOPA DE PINHÃO

Serve 4 pessoas

Ingredientes

  • 1 cebola média ralada
  • 2 colheres (sopa) de óleo
  • 250 g de acém ou músculo cortado em cubos
  • 1 folha de louro
  • Orégano a gosto
  • 1 colher (sopa) de colorau
  • Sal a gosto
  • 2 xícaras (chá) de água
  • 1 colher (sopa) de amido de milho
  • 400 g de pinhões cozidos e descascados

Modo de preparo

  1. Em uma panela de pressão, refogue a cebola com o óleo por 3 minutos.
  2. Acrescente a carne e frite até dourar. Junte o louro, o orégano, o colorau e o sal. Mexa bem e adicione a água. Tampe a panela e deixe cozinhar na pressão por 15 minutos. Retire a panela do fogo, espere a pressão sair e volte-a ao fogo, desta vez, sem a tampa.
  3. Dilua o amido de milho em 1/3 de xícara (chá) de água e misture ao caldo. Mexa bem, pra não formar pelotas.
  4. Bata metade dos pinhões no liquidificador e coloque-os na panela. Mexa bem.
  5. Acrescente o resto dos pinhões inteiros, deixe no fogo por mais 5 minutos e sirva em seguida.

sopa de pinhão

CHARQUE NA MORANGA COM QUEIJO CATUPIRY

Serve 4 pessoas

Ingredientes

  • 300 g de charque ou carne-seca
  • 1 moranga pequena
  • Água para cozinhar
  • 1 xícara (chá) de leite fervente
  • 1 moranga grande
  • 2 colheres (sopa) de manteiga com sal
  • ½ cebola ralada
  • ½ colher (chá) de orégano
  • 2 folhas de louro
  • Sal a gosto
  • 1 xícara (chá) de queijo tipo Catupiry ou requeijão

Modo de preparo

  1. Dessalgue o charque. Em seguida, corte-o em cubos pequenos. Reserve.
  2. Descasque a moranga pequena e cozinhe-a em água por 30 minutos. Escorra, acrescente o leite na panela ainda quente e amasse com um garfo, fazendo um purê. Reserve.
  3. Com uma faca afiada, retire a tampa da moranga grande.Retire as sementes e coloque-a em uma panela, com a parte aberta virada para baixo. Acrescente água suficiente para cobri-la por inteiro e leve ao fogo por 25 minutos.
  4. Aqueça a manteiga em uma panela, frite a cebola até que fique dourada e acrescente o charque, misturando sempre. Adicione o orégano e o louro. Frite por 20 minutos e retire do fogo.
  5. Tire as folhas de louro e coloque-as no purê de moranga reservado. Acerte o sal do purê e misture o Catupiry.
  6. Arrume a moranga cozida em uma travessa e distribua o purê em seu interior.
  7. Misture o charque com o purê dentro da moranga, leve ao forno alto por 10 minutos e sirva em seguida.

SEGREDOS: para dessalgar o charque, lave-o bem e coloque em uma vasilha com água suficiente para cobri-lo. Deixe-o de molho por cerca de 1 hora. Troque a água depois desse tempo e deixe o charque dessalgar por mais 1 hora. Se desejar, troque a água mais vezes, ou deixe de molho por mais tempo, para retirar o sal.

charque na moranga com queijo e catupiry

 

POLENTA MOLE TRADICIONAL

Serve 8 pessoas

Ingredientes

  • 2 litros de água
  • ½ xícara (chá) de óleo
  • 3 xícaras (chá) de fubá branco
  • Queijo parmesão ralado a gosto

Modo de preparo

  1. Ferva a água em uma panela grande com fundo grosso. Acrescente o óleo e derrame lentamente o fubá na água, mexendo vigorosamente com uma colher de pau. Deixe cozinhar por 1 hora, misturando de vez em quando.
  2. A polenta estará pronta quando estiver consistente e soltando lados e do fundo da panela.
  3. Sirva em seguida polvilhada com o parmesão.

polenta mole tradicional

 

DOCE DE CARAMBOLA

Serve 4 pessoas

Ingredientes

  • 2 ½ xícaras (chá) de açúcar cristal
  • 1 xícara (chá) de água
  • 4 carambolas maduras

Modo de preparo

  1. Lave e corte as carambolas em fatias de 0,5 cm.
  2. Coloque água em uma panela e leve-a ao fogo. Misture bem e deixe ferver por 10 minutos.
  3. Junte a fruta à calda e deixe cozinhar por mais 10 minutos.

doce de carambola

Leia também...

Deixe um comentário