Vamos fazer a “Hora da própria história”!!!

Olá! Tudo bem?

Talvez você não saiba, mas eu, a psicóloga escolar e infantil que aqui escreve, estou grávida!! Já são seis meses dessa jornada maravilhosa, recheada e coberta de todos os tipos de emoções, que se você não conhece ainda, EU RECOMENDO!

Mas, não é da minha gravidez que eu vou falar aqui hoje…

Ocorre, que eu tenho percebido há um tempo no atendimento de crianças e adolescentes, uma falta de conhecimento da própria história, que muitas vezes causa uma lacuna no desenvolvimento emocional. E esses dias algumas pessoas do meu convívio, se admiraram com o meu cuidado e preparo para guardar cartões que vem junto com o presente, e outras lembranças que eu quero que o meu filho tenha destes momentos. (e sim, essa imagem que eu coloquei anexa ao post é um destes mimos que uma das minhas menores amigas escreveu)

Aí você pode estar confuso e pensando que toda mãe faz isso, e é verdade que muitas mães guardam essas coisinhas, fazem uma caixa com recordações. Porém para que elas mesmas possam recordar. É bem provável também, que se você já tiver filhos esteja afirmando que “Sim, eles sabem toda a história que envolve a própria existência!” mas se eu lhe perguntar como eles sabem, se você ou vocês já contaram provavelmente a resposta será “Não!” E é aí que vem uma outra grande novidade: “A gente não pode afirmar que uma pessoa sabe uma coisa que nós mesmos não falamos pra ela”, saber disso facilita enormemente as relações.

Eu acabei de falar em “outra grande novidade”, porque a primeira grande novidade é: “É muito importante conhecer a própria história!” Filhos adotivos ou que cresceram longe de algum dos pais, muitas vezes percorrem o mundo, fazendo de suas vidas uma verdadeira saga em busca da própria história. isso pra explicar de uma forma bem simples o que estou falando! Saber a própria história: em que condições e momento eu cheguei; como foi a gestação; que tipo de bebê eu era; como era a vida da família nesta época; que tipo de mudanças marcaram a minha infância; como meus pais se conheceram; e muitas muitas muitas outras coisas é essencial para o autoconhecimento, para a compreensão de si mesmo, para a autocompaixão, resumindo, para o desenvolvimento emocional que é TÃO IMPORTANTE.

Ou seja, se você tem as recordações físicas da gestação e do início da vida do seu filho, compartilhe com ele, aproveitando para contar detalhes de toda a história… Se você não tem, organize este momento, com fotos, ou mesmo apenas transformando a “hora da história (que é muito importante) na “hora da sua história”. Você irá se admirar com o tanto que seus pequenos irão ficar interessados e até pedindo pra contar mais e mais vezes, faça isso e depois me conta!

Leia também...

1 comentário

Avatar
Paulo Sérgio Soares Felipe 24 de maio de 2019 - 22:45

Conhecer a própria história é a premissa do auto-conhecimento e, é o que supostamente revela ao ser humano que muitos dos seus problemas sociais, psicológicos e, também orgânicos, algumas vezes não estão só relacionados ao organismo do indivíduo, mas sim radicados na maneira como os progenitores organizam suas vidas no sentido de proporcionarem às suas crianças e futuros adultos,momentos especiais e lembranças inesquecíveis sem carência emocional.
Minha opinião pode soar como suspeita por eu ser apenas um curioso e, com pouca inclinação para ser um auto-didata, não tenho know-how sobre o respectivo assunto…mas achei seu texto de extrema importância, bem colocado de forma simples de entender e, você foi direto ao ponto.
Um beijão para você, sobrinha querida.

Responder

Deixe um comentário