Confesso que um dos países que mais tenho dificuldade quando se trata de escolher um vinho é Portugal. Algumas regiões mais conhecidas como Douro, Dão e Alentejo me servem como norte na escolha dos rótulos. Mas quando acho que estou começando a entender aparecem nomes de uvas como cachorro vervelho, rabo de gato, rabo de ovelha, estrangulador de cães? E aí ? Para onde correr??

Portugal foi um dos poucos países que conseguiu preservar suas raízes na produção de vinho enquanto outros optaram pelo cultivo quase exclusivo de castas francesas. Daí a origem de tantos nomes diferentes e tantas deliciosas peculiaridades.

Isso já foi um problema, mas a preservação da cultura e, principalmente, das uvas originárias da região fez com que, após o boom da massificação do vinho, os olhos dos especialistas e apreciadores novamente se voltassem à terrinha em busca de novidades.

Mas é preciso conhecer todos esses nomes diferentes (alguns engraçadíssimos), todas as regiões e toda história para se provar um bom vinho português? Claro que não! O importante é não ter preconceitos (independente de qual país estejamos nos referindo) e se abrir ao novo, ao desconhecido, pois cada garrafa traz em si uma história diferente.

Ainda receoso? Para quem quer ser iniciado nos vinhos portugueses, minha recomendação é começar por rótulos da região do Alentejo, área ensolarada que produz vinhos de grande riqueza, corpo e muita fruta.

Apesar desse “tantão” de coisas, os alentejanos costumam ter taninos suaves, o que facilita muito sua harmonização e não assustam quem não está tão acostumados a tintos.

Um desses bons exemplos é o Chaminé, da Vinícola Cortes de Cima. Elaborado predominantemente com a uva Aragonez em corte com Syrah, Touriga Nacional, Alicante Bouschet, Cabernet Sauvignon e Petit Verdot é um vinho bem frutado, muito aromático e com taninos bem equilibrados.

IMG_0542

Já o degustei por diversas vezes acompanhando pratos de bacalhau bem puxados no azeite, mas ele também vai muito bem com carnes de caça temperadas com ervas e carnes vermelhas em geral, especialmente em cocção lenta. Minha última harmonização foi, no mínimo, inusitada: Spaguetti a bolonhesa. E ficou uma delícia!

A importação é da Adega Alentejana.

Ah! Lembram que falei logo acima que cada vinho é uma nova descoberta, uma história diferente? Imaginem vocês que a Cortes de Cima é uma vinícola muito jovem (em meio ao tão tradicional Portugal) e pertence a um casal formado por um dinamarquês e uma americana apaixonados pela região… É ou não um vinho a ser explorado?

Um beijo e até a próxima coluna, Keli Bergamo

Leia também...

Deixe um comentário

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.