vacinação em cães e gatos

Vacinação em cães e gatos. Quais cuidados devemos ter?

Quem não adora cães e gatos bebês? Eles são magníficos, se pudesse iríamos querer eles sempre assim! Dá vontade de esmagar e apertar o tempo todo!

Quem compra ou adota um filhote já quer logo levá-lo para cima e para baixo para mostrar para todo mundo o quanto eles são lindos! Porém todo o cuidado é necessário nesta fase!

Quem já teve seu filhote internado tão pequeninho e já o perdeu por conta de alguma doença viral ou verminose sabe do que eu irei comentar agora.

Quando filhotes eles ainda são muito frágeis. Assim como um bebê eles também precisam de muitos cuidados com a sua saúde.

Cães com 15 dias de vida já podem iniciar a vermifugação, claro que para isso hoje em dia já existem vermífugos que podem ser dados com essa idade.

Após os 45 dias de vida se inicia o protocolo de vacinação para doenças como:

Parvovirose, Cinomose, Hepatite infecciosa canina, adenovírus tipo II, Parainfluenza, Coronavirose, Leptospirose (sorovares canicola, icterohaemorrhagiae, Pomona e gryppotyphosa).

Este protocolo é realizado a cada 21 a 30 dias em um total de 3 doses, juntamente com o vermífugo que após a 3ª dose da vacina contra as doenças citadas a cima deve ser repetido a cada 3 a 6 meses.

Quando a primeira dose é realizada, muitas pessoas já levam seus pequenos para passear, ter contato com outros cães, ir no banho e tosa, mas uma dose da vacina não corresponde a toda a imunidade que eles necessitam, e isso pode levá-los a ficarem doentes, principalmente por parvovirose ou cinomose, que são as doenças mais acompanhadas nas clínica hoje em dia.

Nesta fase ele ainda estará criando anticorpos contra as doenças. O cãozinho só estará protegido contra a doença 21 dias depois da 3ª dose realizada.

A vacinação deve respeitar as datas dos reforços certinhos pois, caso atrase algum dia além do marcado na carteirinha de vacinação, uma 4ª dose deve ser realizada como um reforço.

Após isso, o seu cãozinho poderá sair passear, ir no banho e tosa e ter contato com outros cães.

Lembrando que essa imunidade se corresponde com vacinas de qualidade e aplicadas por médico veterinário. É ele quem saberá se seu animalzinho está apto a iniciar o protocolo de imunização avaliando o seu estado de saúde.

Vacinas realizadas por leigos em agropecuárias, muitas vezes acabam não correspondendo a uma imunização adequada, levando o animalzinho a ficar doente.

Quando o protocolo inicial termina, a vacinação deverá ser realizada uma vez ao ano por todo a vida do seu cão.

Outras vacinas estão disponíveis no mercado, sendo elas:

  • Giardíase Canina: pode ser iniciada a partir das 8 semanas de vida realizando-se uma segunda dose após 21 a 30 dias como reforço e, após, uma dose a cada 12 meses.
  • Bordetella Bronchiseptica: conhecida como “tosse dos canis”. Também se inicia a partir dos 2 meses de vida, com um reforço após 21 a 30 dias, tornando-se anual.
  • Leishmaniose: iniciada a partir dos 4 meses de idade. Para a realização da imunização com esta vacina, o animal deve realizar um teste rápido na própria clínica para avaliar se o mesmo é ou não positivo.
    O animal, não sendo portador da doença, tem o protocolo iniciado, não podendo estar realizando qualquer outro protocolo vacinal e os reforços devem ser respeitados, pois qualquer interferência durante o protocolo de vacinação irá requerer fazê-lo desde o início.
    A imunização contra a leishmaniose é realizada a cada 21 dias em um total de 3 doses. Após este ciclo, deve ser realizada anualmente.
  • Raiva: a partir dos 4 meses de idade cães e gatos já podem iniciar a vacinação contra a raiva, esta é realizada com uma única dose inicial e após se torna anualmente.

E a vacinação de gatos?

Os gatinhos com 15 dias de vida já podem tomar a primeira dose do vermífugo e com 60 dias iniciar o protocolo de vacinação contra as doenças Rinotraqueíte, Calicivirose, Panleucopenia e Clamidiose.

Após a primeira dose, com 3 a 4 semanas, realiza-se o reforço,  tornando-se uma dose a cada 12 meses.

Durante a realização das vacinas também se faz o vermífugo e, quando o protocolo de vacinação termina, o vermífugo deve ser repetido a cada 3 a 6 meses.

Há uma outra vacina para gatos disponível no mercado que, além das doenças de felinos citadas acima, inclui o vírus inativado contra a leucemia viral felina.

Porém, para a realização desta vacina, um teste para Felv (leucemia viral felina) deve ser realizado antes, pois se o animal já é positivo não pode ser vacinado com esta vacina e sim com a Quadrupla que foi citada anteriormente.

A Quíntupla em gatos é realizada com 8 semanas de vida, realizando-se o reforço após 3 a 4 semanas e após todo o ano uma dose deve ser realizada.

Para uma eficácia na resposta vacinal do seu cão ou gato, respeite as recomendações que seu veterinário lhe passar.

Um tratamento de um animal doente por uma destas doenças custa muito mais do que um protocolo vacinal realizado corretamente, e ainda corre o risco do paciente não responder bem ao tratamento e vir a óbito.

Algumas destas doenças podem ficar de meses a anos em nosso ambiente impossibilitando de ter outro filhote, pois ele correrá o risco de ficar doente.

Vacinação e vermífugo são o melhores remédios para uma vida longa e saudável!

Beijos, pessoal, e espero que cuidem muito bem dos seus bichinhos!

Leia também...

1 comentário

Férias! E meu pet? O que posso fazer? - Arquitetando Estilos 28 de outubro de 2019 - 20:27

[…] Mundo Pet […]

Responder

Deixe um comentário