Vacinação contra a Gripe

O inverno está chegando… E aí? Já se vacinou contra a Gripe? Ou está pensando: Será que essa vacina funciona mesmo? Vou ficar doente depois de me vacinar?

Ainda existem muitas dúvidas e preconceitos sobre a Vacinação contra a Gripe e os esclarecimentos são ainda mais importantes agora, pois de acordo com o Ministério da Saúde desde o dia 03/06/19 as doses restantes da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, destinada a vacinar exclusivamente o público prioritário, estão disponíveis para a população em geral.

Fazem parte do público-alvo indivíduos com risco de desenvolver complicações da gripe: idosos, crianças entre 6 meses e 4 anos, gestantes e mulheres que deram à luz há menos de 45 dias, profissionais de saúde, pessoas com doenças crônicas, professores, funcionários e pessoas internadas no sistema prisional.

Um dos pontos importantes para se atentar é que embora os sintomas se pareçam, a gripe e o resfriado são doenças diferentes. Os resfriados são mais comuns e apresentam principalmente sintomas locais de intensidade mais leve e evolução gradual. Já a gripe é mais grave causando febre alta, dores musculares, tosse e pode evoluir para doenças mais graves.

A Gripe é causada somente pelo vírus influenza. Mas existem diversos subtipos deste vírus (entre eles o famoso H1N1) e sofrem constantes mutações, enganando nosso sistema imunológico. Por isso não ficamos imunes ao pegar uma gripe e é importante nos vacinarmos todos os anos, já que a imunidade da vacina se mantém por um período de aproximadamente 12 meses.

A Vacina contra a Gripe tem sua composição atualizada anualmente de acordo com os subtipos de vírus mais comuns naquele período. Como a gripe não é causada somente por esses grupos, ainda assim é possível ficar doente. Também existe um período após a vacinação de 10 a 15 dias até que a proteção se inicie, sendo possível contrair a gripe neste período.

Não existe a possibilidade da vacina causar gripe já que são feitas com o vírus inativo. A eficácia da vacina é cerca de 70%. Assim, o grau de proteção pode ser parcial ou insuficiente para evitar a doença se houver uma grande exposição ou o subtipo do vírus for diferente ao que estava na vacina daquele ano.

Mesmo assim a vacinação é muito importante, pois a gripe, se não tratada a tempo, pode evoluir para pneumonia ou outras complicações. Também vale lembrar que um adulto saudável imunizado ajuda a evitar que pessoas mais suscetíveis a seu redor, como idosos e crianças, sejam contaminados por ele.

A vacina não deve ser feita em bebês menores de 6 meses e em pessoas que tiveram reação anafilática a vacina anteriormente. A alergia a ovo não é mais contraindicação para a vacinação, somente devem ser tomados cuidados maiores.

Os efeitos colaterais locais como dor, vermelhidão e inchaço no local da aplicação ocorrem em cerca de 15% dos vacinados, geralmente com intensidade leve e curta duração. Sintomas maiores como febre, calafrios e dor no corpo ocorrem em menos de 1% das pessoas vacinadas.

Outros cuidados que também podem ser tomados para evitar gripes e resfriados são:

  • Higienizar as mãos com frequência
  • Manter os ambientes bem arejados
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal
  • Evitar tocar mucosas do olho, nariz e boca
  • Ter boa alimentação e beber bastante líquido
  • Evitar contato com pessoas que estejam com sintomas da gripe.

Procure uma unidade de saúde, leve a seu carteirinha e vacine-se contra a gripe.

 

Até a próxima!!

Leia também...

Deixe um comentário