Nos consultórios de psicologia um dos temas mais recorrentes é a comunicação e sua importância nas relações: o saber falar sem magoar, a assertividade, a preciosidade das frases claras e bem feitas, a sagacidade de soltar o verbo certo, no momento certo. Somos acostumados a pensar em comunicação, falar sobre comunicação, inspirar comunicação… Mas, além disso, que tal seria vestir, maquiar, pentear, ousar e sentir a comunicação?!

A nossa própria imagem é a primeira forma de expressão, é o “diálogo” que flui independentemente da vontade e do interesse em se comunicar, simplesmente acontece! Quem nos olha se comunica, mesmo que não nos diga. Quem presta atenção em alguém, pensa, associa, relembra, julga bem, julga mal… Seja como for, um olhar pode bastar para que uma conversa de fato nunca aconteça, ou dure a vida inteira.

Quando nos olhamos no espelho, dizemos algo para nós mesmos, muitas vezes mentalmente, criamos nosso autoconceito, formulamos crenças, nos avaliamos duramente. Falamos sozinhos e falamos com o mundo, através da imagem.

Sendo assim, a coerência, clareza e autenticidade devem ter início naquilo que aparentamos ser. Por quê? Por que a congruência externa reflete o estado interno!

A própria imagem traduz quem somos, e cada detalhe de nossa aparência diz algo sobre nós, tanto para os outros quanto para nós mesmos. A autoimagem é a forma pela qual nos avaliamos descritivamente, é como cada qual responde a pergunta: “Como sou?”, e normalmente se a autoestima vai bem, a resposta tem valoração positiva e se vai mal, consequentemente, a autodescrição é negativa.

Se diariamente formos capazes de perguntarmos individualmente “Qual imagem desejo expressar?”, inevitavelmente estaremos imersos em nós mesmos, conhecendo-nos melhor, e essa chance de nos perceber de forma coerente a cada dia e expressar a imagem que realmente desejarmos, além de favorecer o autoconhecimento, impacta na autoestima. É como se a própria imagem fosse uma descrição visível do amadurecimento e transformações vivenciadas durante a vida. Além disso, a autoimagem positiva impacta no bem estar e amor próprio… Essa positividade de sentimentos é muito bem vinda a qualquer um de nós, em qualquer momento da vida.

Muitas pessoas ainda acreditam que o cuidado com a imagem está puramente relacionado ao consumismo e futilidades, mas quando se agrega o fator da comunicação, de forma quase mágica esse preconceito se quebra, afinal, “quem se comunica não se trumbica” e de fato, é através da imagem que as pessoas se (auto)conhecem e (auto)reconhecem.

Leia também...

Deixe um comentário