Uma cela 3×4

“Teje preso!”
Essa deveria ser a primeira frase de qualquer manual de smartphone.

Deveria aliás, ao invés de um manual, conter uma bula. Ali deveria a conter as doses máximas a serem administradas durante o dia e outras instruções do tipo, “não opere máquinas enquanto usa”.

Estamos presos, numa cela minúscula, quase sufocante. E nem notamos.

Cada vez mais imersos na tecnologia, ampliamos a rede de relacionamentos virtuais e na mesma proporção restringimos as conversas e abraços.
Dia após dia, estamos ficando cheios de pequenos vazios e de falsos sentimentos.

Nunca se falou tanto em depressão, solidão… Somos jovens doentes, cuja alma encontra-se corrompida.

Vendemos a alma à tecnologia. Elogios se tornaram curtidas e as conversas ficaram limitadas em aplicativos. Estamos presos, numa cela “3×4”. Muitos dias de sol se perdem em meio a mensagens de texto, curtidas e quiçá uns comentários.

No decorrer da semana, tivemos um aplicativo bloqueado pela justiça e prontamente se instalou o caos. Ninguém se deu conta do quanto ainda é bom ouvir a voz do outro, encontrar um bilhetinho escrito à mão.

Bilhetinhos manuscritos… Esses se tornaram relicário. Tem um que guardo na carteira, de tão bonitinho que é.

Qual foi a última vez que você dedicou seu tempo pra escrever uma carta a alguém sem procurar inspiração no “Google”?

Poucos sabem expressar seus sentimentos mandando flores, ou dando um forte abraço. Nem se menciona aquele beijo roubado. A maioria “copia e cola”.

Eu me peguei fazendo isso há poucos dias: copiando e colando a última mensagem de feliz aniversário em um grupo de “WhatsApp”. Logo em seguida minha amiga, autora das felicitações brincou comigo:
-“Olha o plágio!”

Sabíamos que não se tratava de um plágio especialmente, mas de uma mania feia de comprar a coisa pronta que temos adquirido ao longo do tempo.

Me parece que estamos regredindo, cada vez com mais seguidores e solidão, proscritos, por vontade própria daquilo que já fora costumaz.
Claro que nossas relações face a face também podem ser de conveniência, conformistas e narcisísticas, mas ainda não existe aplicativo que substitua o abraço, nem mesmo bateria que tenha a intensidade de um sorriso barulhento.

Somos (ou deveríamos ser) seres instintivamente sociais, mas estamos inseridos num contexto virtual no qual buscamos obsessivamente pertencer ao⁠⁠⁠⁠ maior número de grupos.

No final das contas, estamos sozinhos, numa pequena limitada cela – tela, e antes de pedir o cardápio, solicitamos ao garçom a senha do wi-fi.

Restringimos o açúcar, cortamos a farinha branca, mas o que nos faz mal de verdade continua entre nossos dedos.
Mas a bateria acaba,  o tempo e as pessoas vão embora, enquanto isso andamos por aí, carregando nossas máquinas de solidão.

😉

@jannacamposp

____________________________________________________________________________________________

Nota:

O fotógrafo norte-americano Eric Pickersgill criou uma série de fotografias denominada“Removed”, na qual ele remove smartphones e outros dispositivos digitais de fotografias cotidianas, retratando de forma impactante nossa realidade

RE.  RE1 RE2 RE3 RE4 RE5 RE6 RE7 RE8 RE9 RE10 RE11 RE12 RE13

Leia também...

Deixe um comentário