Sono da Criança. Dicas para ajudar pais e crianças.

Este texto tem por objetivo compartilhar com os pais e cuidadores algumas reflexões sobre o sono da criança, não se pretende com ele esgotar o assunto nesta área.

Segundo o Grupo de Estudos do Sono da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria) durante a infância, a criança vivencia constantes modificações no sono que refletem o grau de maturidade e desenvolvimento do sistema nervoso central. Do nascimento até o 6º mês de vida, o sono vem em ciclos de 3 a 4 horas no primeiro mês de vida, independente de ser noite ou dia. Entre o primeiro e o quarto mês, o bebê vai se adaptando progressivamente à luz e fazendo um sono mais longo quando é noite.

O primeiro indício de que o bebê está adequando seu ritmo biológico ao dia de 24 horas é entre a 3ª e a 4ª semana de vida. O bebê fica mais agitado e chorando, geralmente no final da tarde ou início da noite (entre as 17 e 22h). É a chamada “hora da cólica”. Em torno do 6º mês de vida, os períodos de sono já chegam a 6 horas, geralmente com dois períodos noturnos separados pelo despertar para mamar. A consolidação do sono noturno ocorre gradualmente a partir daí.

Entre 2 e 3 anos, o sono noturno deve estar consolidado. Os períodos de sesta durante o dia tendem a diminuir, até acabar. A dificuldade de separação dos pais se reflete na ansiedade, na dificuldade de dormir e nos medos noturnos. Nesta fase é fundamental manter as rotinas para dormir. Os problemas do sono são comuns entre 20 e 30% das crianças nesta faixa etária.

Se seu filho está na pré-escola, sugere-se evitar a sesta no final da tarde. Ela pode interferir no sono da noite. Nesta faixa de idade, cerca de 15 a 30% das crianças ainda têm problemas de sono.

A transição para o padrão adulto de sono inicia por volta dos 5 anos e vai até os 12 anos. Na adolescência, ocorre aumento fisiológico de sonolência diurna, pela privação de sono. Em dois anos, o tempo total de sono diminui cerca de três horas (de 10 para 7 horas), provocando um débito de sono. Ocorrem diferenças entre dias de semana e fins de semana, quando o jovem dorme mais. É frequente, nesta idade, o sono “demorar para chegar”, podendo atrasar de uma a três horas.

Compartilho aqui algumas dicas que podem favorecer o sono da criança pequena, uma vez que dormir é tão importante na vida dos pequenos como comer, brincar ou adquirir hábitos de higiene.

»» Sugere-se diminuição do “agito” nas horas que precedem a hora de dormir, evite muita luz e barulho (TV, som, falar alto, computador, jogos agitados, brincadeiras que aceleram), o melhor é promover atividades que relaxam: pintura, massinha, leitura, jogos mais tranquilos e silenciosos (dominó, vareta, encaixes, quebra cabeça, etc.), tais atividades favorecerão o relaxamento e consequentemente a indução ao sono.

Um bom banho morno ajuda a relaxar, mas fique atento a “como é esse banho”, se promove muita agitação pode fazer efeito contrário.

Diminua as luzes da casa, procure usar um abajur ou luzes indiretas.

»» Sugere-se que se crie referências para as crianças, arrumar um local próprio para dormir é importante. Se é um bebê que dorme no berço, os pais podem colocar um móbile, um paninho, ou uma almofadinha (lembrem-se de lava los e higieniza los com frequência, pois não é incomum crianças que se apegam a paninhos sujos ou os tais travesseirinhos que não se pode lavar). As crianças maiorzinhas podem dormir com um animalzinho de pelúcia ou os bonecos. É importante que ela tenha os objetos dela por perto. Assim, se ela acordar no meio da noite, vai se sentir segura e automaticamente voltará a dormir sozinha, você pode encapar uma almofada com uma camiseta sua,  assim deixa seu cheirinho perto dela.

»» Ensine seu filho a pegar no sono sozinho. É preciso pensar que isto só fará bem à criança, tornando a independente e evitando sofrimento em situações em que a presença dos pais não seja possível. Uma das maneiras de ajudá-la com este hábito é seguir certa rotina todos os dias na hora de dormir. Assim ela sabe o que esperar e prepare se para tal. Deixe sempre claro para a criança que não há o que temer, e que você virá  quando ela chamar. Crianças precisam de rotina para que alguns hábitos importantes se estabeleçam. Isso não quer dizer que virem “robozinhos”, porem que aprenda e seja auxiliada a organizar se em atividades importantes, ou melhor essenciais a sua saúde como comer e dormir por exemplo.

»» Evite entrar na “enrolação” da criança. Crianças de pouca idade são “mestres” em negociar e enrolar para ganhar um tempinho, principalmente na hora de dormir. Pode ser que seu filho peça água a todo minuto, ou até resolva fazer cocô, tudo para ficar mais tempo com você. Se você perceber que é uma estratégia de enrolação, seja firme.  Sugere se que troque a fralda ou leve-o ao banheiro sem conversar muito, evitando as “barganhas”, dê água, leve um garrafinha ao quarto para evitar levantar, diga que é hora de dormir, seja afetivo para que sinta se seguro. Pode se criar o habito de ler ou contar histórias antes de dormir, mas procure combinar com a criança antes, o tempo de história ou quantas serão contadas.

Pode –se incluir os pedidos mais comuns de seu filho no ritual da hora de dormir: deixe um copinho com água ao alcance dele, lembre-o de ir ao banheiro (se ele já estiver desfraldado) e dê muitos beijos e abraços.

»» Procure dar opções na hora de dormir. Seu filho pode  estar testando os limites da recém-descoberta independência. Para ajudá-lo a se sentir “independente” e incentivar que seja capaz de fazer escolhas, deixe-o escolher algumas coisas: o pijama, a história que quer ouvir, a música. Sugere se permitir no máximo três opções, que sejam pré-aprovadas por você. Numa noite de frio, por exemplo, não pergunte “Que pijama você quer pôr?”, e sim escolha os dois mais quentes e pergunte “Qual dos dois você quer usar?”.

»» Seja firme. Procure empenhar se para não ceder aos apelos por uma exceção à regra na hora de dormir, “só hoje, vai….”. Se o nervosismo começar a tomar conta de você, respire fundo e procure falar em voz baixa, para não entrar numa espiral de gritos que só vai deixar todo mundo ainda mais chateado e agitado. Se você ceder ao “só mais um pouquinho”, ele pode pedir sem parar até conseguir de novo.

Se você der muita atenção, mesmo que seja para dar bronca, vai acabar reforçando o comportamento indesejado.

»» Transfira-o do berço para a cama. Entre os 2 e os 4 anos, a criança fica pronta para passar do berço para uma cama. Você pode dizer a ela que uma das coisas que crianças grandes fazem é ir para a cama quando estão cansadas. Procure elogia la sempre que ela estiver na cama, e arme-se de paciência para quando ela descobrir que pode levantar quando quiser. Normalmente são períodos que a criança vivencia: leve-a de volta e diga que é hora de dormir. Depois de algumas vezes (ou muitas), ela se conforta com sua presença pacienciosa e dorme.

»» Se por algum motivo, a criança precisar de você, evite coloca la em sua cama, será mais adequado você ir para cama dela, ou melhor ainda colocar um colchão no chão e ficar la até que ela adormeça, é mais fácil não adquirir o habito de dormir com os pais assim, do que quando ela vai para a cama dos pais. Tranquilize a criança dizendo a verdade, ou seja, que quando ela dormir você voltará para sua cama, mas que voltará se ela chamar ou precisar. Sugiro deixar um abajur ou luz do corredor acesa para que sinta se seguro caso acorde durante a noite.

»» Reflita sobre a necessidade de dormir na cama dos pais, na prática clinica descobrimos com frequência, que em alguns casos a necessidade ou desejo de manter a criança na cama dos pais é maior nos pais do que na criança. Pense também se não é conveniente que a criança venha para cama dos pais, às vezes é “desejável” que venha, mascarando conflitos conjugais e sexuais dos pais que precisam ter clareza de que o “problema” neste caso não é da criança mas sim do casal, ou de um dos cônjuges.

»» ROTINA: uma das coisas mais importantes em relação aos hábitos das crianças (alimentação, sono, higiene, tarefas, etc.) é o estabelecimento de uma rotina com horários para realizar as atividades, dormir, comer, etc. Quando se estabelece rotina (que não precisa ser “militar”) o organismo da criança habitua-se a ela e é muito provável que sentirá sono naquele horário, despertará “por habito” naquele outro, sentirá fome nos horários de comer…. É assim conosco, não é diferente para criança.

Caso a situação torne se muito difícil, sugere se acompanhamento com um profissional especializado, que poderá orientar de forma mais especifica em suas dificuldades, afinal não somos todos iguais, nem mesmo quando dormimos.

Criar bons hábitos de sono da criança exige muito tempo e paciência, mas o esforço vale a pena.
Bom sono aos  pais e bebes….

* Este texto foi parcialmente retirado de alguns artigos e sites sobre sono da criança  e organizado pela Psicóloga Helena Leandro CRP 08-03871

Alguns artigos e programas que valem a pena:

Assistam: http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2014/10/seu-filho-nao-dorme-confira-todas-dicas-da-serie-do-bem-estar.html
Contos para criança: http://www.mineiapacheco.com.br/2011/08/ja-e-hora-de-dormir.html
Leiam: http://drricardodecastro.site.med.br/index.asp?PageName=a-crianca-que-nao-dorme

Leia também...

Deixe um comentário