Sobre os amores do carnaval

O que é amor para você? E paixão? Existe diferença entre os dois? Na paixão, geralmente ocorre um processo natural que na psicologia chamamos de projeção. Projeção seria aquilo que faz parte de mim, mas eu projeto no outro. Isto é, quando nos apaixonamos na verdade estamos apaixonados por nossos aspectos projetados e não pela pessoa real.

Quando estamos apaixonados não percebemos os “defeitos” do outro, tudo parece ser lindo e maravilhoso, por causa da tal projeção. Surge então os pensamentos voltados para a pessoa, a vontade de estar junto, o famoso “frio na barriga” quando se encontram, entre outros sinais. Mas com o tempo tudo aquilo que não vimos começa a vir à tona. É quando o apaixonado começa a retirar sua projeção (seus aspectos no outro/idealização) e começa a ver com quem realmente está se relacionando, surge então a possibilidade de vivenciar o amor.

O amor, diferente da paixão, tem a ver com o aceitar o outro como ele realmente é. Você percebe os defeitos da outra pessoa com clareza, mas mesmo assim escolhe compartilhar a vida ao lado dela. O amor exige olhar para a realidade, saber lidar com frustração, perdão, compreensão e aceitação do outro, é um trabalho constante de aprender com as diferenças. Após distinguir brevemente esses sentimentos tão comentados e desejados vamos refletir um pouquinho sobre os “amores do carnaval”. Será que o amor que começa entre serpentinas e confetes vira cinzas junto com a quarta-feira ou tem chances de durar?

Culturalmente o carnaval é percebido como uma festa onde tudo pode. É justamente esse tipo de pensamento presente no carnaval que faz com que muitos romances carnavalescos não continuem quando a festa acaba. No carnaval, muitas pessoas fazem uso de bebidas alcoólicas, drogas e outros entorpecentes que prejudicam nosso julgamento. Seja você ou a outra pessoa que use alguma dessas substâncias, o julgamento em relação ao seu amor de carnaval com certeza não será tão preciso.

Outro fator que influencia é a ideia que muitos têm de que o carnaval é uma época para dar vazão aos prazeres da carne e compromisso passa longe da cabeça dessas pessoas. Há quem vá mais longe e termine seu namoro apenas para ficar livre no carnaval e, depois dos cinco dias de festa, procurar a ex (ou o ex) para voltar. É claro que existe gente que faz isso e se comporta de maneira descompromissada o ano inteiro, mas durante o carnaval as chances de isso acontecer parecem ser maiores.

Estes tipos de situações podem trazer muita decepção para quem criou expectativas de que o relacionamento possa continuar depois da folia.

terapia-amor-carnaval

Contrariando a crença popular, há muitos casais que provaram que o amor de carnaval dá certo. A atriz Luana Piovani e seu marido Pedro Scooby é um exemplo de que romance iniciado na Sapucaí dá samba. A atriz Fernanda Souza e Thiaguinho começaram o romance no carnaval de 2011 e se casaram em 2015. Estes são apenas exemplos de famosos, mas há muita gente por aí que acredita no amor de carnaval.

Seja como for, o ideal é não criar grandes expectativas durante e logo após o carnaval. Afinal, o amor, de carnaval ou não, precisa de tempo para ser construído a partir da convivência, tendo como base o RESPEITO, companheirismo, confiança, DIÁLOGO, carinho…

Um grande beijo e um ano cheio de amor!

Leia também...

Deixe um comentário