setembro amarelo

SETEMBRO AMARELO: falar é a melhor opção!

O mês de setembro é, desde 2015, o mês que simboliza a prevenção ao suicídio. A campanha “Setembro Amarelo” faz parte de uma série de ações informativas e de prevenção extremamente pertinentes e fundamentais, já que suicídio é atualmente considerado uma questão de saúde pública e enquanto tal precisa ser foco de intervenção de políticas públicas de prevenção, o que envolve profissionais de variadas áreas.

Existem muitos mitos sobre o suicídio. Um deles é, que falar sobre o assunto não é bom. A verdade é justamente o oposto: é preciso falar para podermos prevenir.

O tabu dificulta que as pessoas busquem ajuda. Muitas vezes quem enfrenta pensamentos suicidas sente culpa por isso e não sabe como lidar com a dor. Já os que estão ao seu redor, envoltos de preconceito, julgam e acabam piorando a situação.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), ao redor do mundo acontecem 01 suicídio a cada 45 segundos. Pelos números oficiais, são 32 brasileiros mortos por dia, 1 a cada 45 minutos, o que leva a uma taxa superior às vítimas da AIDS e da maioria dos tipos de câncer.

A OMS ainda afirma que 90% dos suicídios podem ser prevenidos quando o indivíduo recebe ajuda profissional ou da família, pois, quando a pessoa pensa em morrer, ela está em sofrimento em uma parte e, na outra parte, ela pensa em viver. Quando a pessoa recebe apoio e tratamento, ela pode mudar de ideia.

E é por isso que campanhas como o Setembro Amarelo são importantes. As pessoas precisam saber que enfrentar pensamentos suicidas é muito comum e que existe outra saída.

Levar em conta os menores sinais pode fazer a diferença. Muitas vezes o diálogo até acontece, porém, quem ouve uma pessoa falar que não tem mais vontade de viver e que, muitas vezes, tem vontade de tirar a própria vida, pode acabar por não dar a atenção devida a esta fala tão séria.

Além de não ignorar esse tipo fala, também é preciso ficar atento a outros sinais que são dados, que podem indicar a depressão e a vontade de se suicidar.

Confira alguns dos sintomas que devem ser acompanhados e levados a sério:

  • Tristeza pertinente;
  • Postagens relacionadas a suicídio ou depressão profunda nas redes sociais;
  • Perda de interesse em atividades que antes davam prazer;
  • Fadiga;
  • Falta de energia;
  • Alteração no sono;
  • Irritabilidade;
  • Alterações no apetite;
  • Choro sem razão aparente;
  • Idéias de morte;
  • Dores e sentimentos de inutilidade, entre outros.

É preciso evitar expressões de críticas e julgamentos ao falar com alguém que pense em suicídio. Em vez disso, fundamental é mostrar que você se importa com a pessoa e se disponibilizar a procurar ajuda ao lado dela. Deixar de ver amigos e familiares, ter mudanças bruscas de humor e aparentar tristeza e apatia por muito tempo são sinais que indicam que alguém pode precisar de ajuda. Fique atento.

Identificando estes ou outros sentimentos parecidos, é importante que você busque ajuda, profissional ou de pessoas próximas, para conversar e entender como lidar melhor com essa situação. Um dos canais abertos para você desabafar e ter suporte emocional é o Centro de Valorização da Vida, o CVV, disque 188, a ligação é gratuita e está disponível 24 horas por dia, todos os dias.

Enquanto houver vida, há esperanças!!!

Até mais.

Leia também...

Deixe um comentário