Sem querer, já chegamos na metade do ano. Quase sem querer não vimos o tempo passar e já estamos num 2016 que se vai, agora é piscar e começam as festas de fim de ano.

Mas antes disso, julho começa prometendo férias para todos nós – ou quase todos. De férias ou não, os finais de semana estão aí para serem aproveitados – e você não pode os desperdiçar sem mais nem menos.

É bom essa pausa na vida – finais de semana, feriados, férias – porque nos enchemos muito fácil. Nietzsche uma vez disse sobre a soberba:

“Não se encha de ar: senão basta
Um alfinete para o estourar.”

Para evitar que não estouremos, cheios de razão, de compromissos, de soberbas (…) sugiro nos divertimos. Mas, para passar essas dicas para vocês, prometo deixar Nietzsche um pouco de lado e usar mais Legião Urbana.

 Tenho andado distraído
Impaciente e indeciso”

Cinema

Se você quiser, pode passar julho inteiro nos cinemas. Por ser um mês de férias escolares, muitas estreias estão previstas para este mês. E se você é uma pessoa parecida comigo que mesmo maior de 20 anos não liga em assistir filmes “para crianças”, você deveria estar tão feliz quanto eu. Filmes como

Procurando Dory

que estreou esta semana; A Era do Gelo: O Big Bang, previsto para estrear semana que vem e As Caça-Fantasmas, que é para ir aos cinemas no dia 14 de julho, são os grandes nomes. Vale ressaltar que para este último, o filme trás os Caça-Fantasmas em versão feminina. Diferente dos originais de 1984. Interessante essa decisão uma vez que a questão de gênero está tão em voga no nosso tempo – as mulheres podem salvar Nova York dos fantasmas também.

E a questão de adultos apreciarem a ir a filme “para crianças”, chamou minha atenção. A página de humor no Facebook “Sensacionalista”, publicou a seguinte “notícia”: “Pais deixam filhos em sessão de ‘Invocação mal 2’ para assistir ‘Procurando Dory’ sossegados”. Crianças querem se emancipar fora da hora enquanto adultos querem voltar no tempo. Não tem segredo, o negócio é aproveitar cada fase. Aproveitar indo assistir todos os tipos de filmes que o cinema pode oferecer, sempre.

E ainda estou confuso
Só que agora é diferente
Estou tão tranquilo e tão contente”

Gastronomia

Tem vezes que a gente quer ser mais saudável. Andar de bicicleta, correr no parque, largar o refrigerante, ler um clássico, melhorar na alimentação. Confesso que não sou dos mais saudáveis no quesito bicicleta, correr no parque, refrigerante e alimentação. Sobre os clássicos, leio vez ou outra. Quando se trata de alimentação, é a minha mãe que tenta me convencer a ir para um mundo mais saudável. Foi ela que me levou no

Bistro da Bibi

um lugar com seu estilo próprio. Amamos a comida, o suco e a sobremesa (recomendo pedir a gelatina). Depois de tudo isso, como eu e minha mãe somos apaixonados por café, pedimos um expresso e junto com café, trouxeram uma jarra de água saborizada – tudo divino. E para finalizar, ao nos dirigirmos ao caixa, uma mesa repleta de produtos naturais que lembra uma feira livre está disposta para você. Pode-se fazer algumas compras por lá.

 Rua Nilo Peçanha, 1.398 – Bom Retiro

Quantas chances desperdicei
Quando o que eu mais queria”

Música

É em julho que se comemora o Dia Mundial do Rock – mais especificadamente no dia 13. E para isso, algumas bandas estão previstas para tocar por aqui. Entre elas, está aquela que é o meu grande amor

Legião Urbana

A apresentação será de um cover no teatro Bom Jesus. E eu acho bem legal comparecer porque, afinal de contas, faz 20 anos que o vocalista Renato Russo nos deixou (11 de outubro de 1996). Outras bandas também estão previstas para se apresentar na nossa capital, entre elas: Malta, Hatten, Rock de Galpão e tantas outras.

Mas se você procura uma festa para realmente celebrar o Dia Mundial do Rock, o bar Crossroads fará no dia 9 uma programação inteira voltada ao rock e suas vertentes, com seis banda se apresentando. Este evento chega a sua 19° edição e é bom você chegar cedo, porque o lugar fica lotado!

Teatro Bom Jesus: Rua 24 de Maio, 135 – Centro

Crossroads: Av. Iguaçu, 2304/2310 – Água Verde

Era provar pra todo o mundo
Que eu não precisava
Provar nada pra ninguém”

Curitiba

Quando viajo, procuro sempre sair do roteiro turístico. Claro que em Paris, vai-se a Torre Eiffel, em Nova York, Times Square, Londres, Big Ben – mas em todas essas, e na verdade, em qualquer lugar do mundo, além dos pontos turísticos principais, há os que ninguém conta para você. Como se fosse o amor dos cidadãos para aquele lugar continuar assim, sem tirar nem por. O lugar indicado neste texto é a

Universidade Livre do Meio Ambiente – UNILIVRE

Talvez não seja o lugar com menos turistas de Curitiba – e eu sei que ela está na Linha Turismo. Mas é um lugar lindo. Eu o acho escondido por ter toda a questão da natureza: parece que você não está em uma capital, mas em algum lugar longe da civilização. Eu realmente me deixo pensar lá. Indico a você que gosta de tirar foto, levar a câmera carregada porque os ângulos são muitos e para os leitores, tem alguns cantos em que é possível sentar e desfrutar do silêncio do local. Para os amantes de arquitetura (alguém que também sou), a própria Universidade chama a atenção e pede alguns minutos da sua vida. Explore o lugar. E para completar o passeio, na entrada tem um lugarzinho que você pode tomar um suco e sentar na rede. Renovador.

Literatura

Não consigo deixar de citar Nietzsche mais uma vez quando me proponho aqui a falar sobre literatura.

Pessoas, gêneros, estilos (…) são vítimas de pré-conceito todo o tempo. Não gostar de alguma coisa não te dá o direito de desrespeitar esta coisa ou de a diminuir por ela apenas ser. Mas mesmo não gostando, cabe a nós nos deixar experimentar e acabar ou não em descobrir (pessoas, gêneros e estilos) incríveis. Foi o que aconteceu comigo em

A Gaia Ciência – Friedrich Nietzsche

Sempre que pensava em Nietzsche imaginava-o como algo inalcançável – uma literatura acima da minha vil compreensão. Foi a partir disso que resolvi experimentar ao comprar este livro citado acima e acabar por descobrir que Nietzsche não é alguém impossível de se compreender. Ele é apenas alguém que resolvemos julgá-lo difícil – só por que temos dificuldade em pronunciar o nome dele?

 Para diminuir nossos pré-conceitos, nessas férias, uma tentativa a algum livro que você sempre considerou impossível de se ler, cai muito bem. Ou de alguma autor que você leu, de forma obrigada, na escola e não entendeu nada. Que tal dar mais uma chance para ele? Quem sabe agora, mais maduros, mais conscientes e mais aptos a descobrir com os dois pés no chão, você não descubra um novo grande amor literário?

 Sobre a felicidade, Nietzsche escreve:

 “Depois que cansei de procurar
Aprendi a encontrar.
Depois que um vento me opôs resistência
Velejo com todos os ventos.”

Ótimas férias: com muito rock, tentativas, erros e acertos e felicidades. Aproveitem cada momento. Aguardo o seu retorno e até a próxima.

 Eduardo Martinesco.

Leia também...

Deixe um comentário