retorno seguro às escolas

Retorno seguro às escolas

Este é o título da NOTA COMPLEMENTAR da SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRA (SBP) emitido no último dia 26 de janeiro de 2021.

Me basearei neste documento para discorrer este texto. Não se trata de opinião pessoal bem como não se trata de discussão sobre o quesito “reabrir ou não reabrir as escolas”. Trago apenas informações de uma das sociedades médicas mais conceituadas do nosso país.

Este na foto é o meu filho, um garoto pra lá de estudioso que iniciou o sexto ano em 2021. Em nossa cidade, Londrina – PR, por determinação da Prefeitura Municipal persistimos com as aulas 100% online.

Em setembro de 2020, a SBP publicou a nota “Reflexões sobre Retorno às aulas”, abordando os prejuízos ocasionados pelo fechamento das escolas e apresentou condições necessárias para o retorno seguro e saudável, indicando aos gestores recomendações importantes para a concretização da abertura das escolas.

Saliente-se que o retorno às aulas presenciais em um ambiente seguro é de extrema importância para a saúde das crianças e adolescentes. Para atingir este objetivo, há exigências estruturais, higiênicas, sanitárias e comportamentais que necessitam ser planejadas e implantadas nas escolas.

Citado no mesmo documento, a questão dos transportes escolares bem como a necessidade de formação de Comitês escolares compostos por profissionais da saúde, da educação, incluindo representação de pais para a implantação da reabertura e acompanhamento do processo antes, durante e após.

Questões epidemiológicas foram levadas em conta bem como experiências de retorno às escolas em países europeus e nos EUA, as quais mostraram baixos índices de infecção e complicações tanto nos alunos quanto na comunidade escolar. O Unicef publicou em 7 de janeiro de 2021 carta aberta aos prefeitos eleitos para que priorizem a reabertura das escolas, reforça também a importância multifacetada da escola na formação de cidadãos, na proteção contra violência e na segurança alimentar. Reitera que as escolas devem ser as últimas a fechar e as primeiras a reabrir por ser atividade essencial.

Contudo, uma evidente preocupação em nosso país é a fragilidade nos processos de ampla testagem o que nos daria uma avaliação epidemiológica mais real bem como o perfil precário do nosso transporte público e a precariedade estrutural de grande parte das redes públicas. Essa é aliás uma oportunidade ímpar para nossos gestores públicos e privados promoverem melhorias nos espaços, condições higiênicas e sanitárias das escolas, além de atualizações para professores  e funcionários de toda a rede de ensino.

Planejamento de retorno às aulas seguro e saudável:

*Planejamento pedagógico:

Sistema híbrido de ensino, alternando aulas presenciais com aulas remotas tanto para professores como para alunos. Na impossibilidade de certas famílias em disponibilizar equipamentos, a gestão escolar poderia realizar empréstimos. Material impresso poderia ser uma alternativa. Professores também necessitam estar devidamente preparados e orientados, conhecendo os novos procedimentos que serão adotados neste retorno. Sugere-se favorecer o acolhimento emocional, reconhecer e encaminhar de forma precoce crianças com risco psíquico para que sejam devidamente atendidas.

*Planejamento dos espaços e estrutura física:

Ambientes arejados, com ventilação natural, áreas ao ar livre para atividades junto da natureza, adequação do espaço livre das salas para calcular o número de pessoas que irão ocupa-la, bem como dotar a escola de adequados equipamentos sanitários (pias, lavatórios, dispensers de sabonete líquido e álcool gel).. Planejamento de fluxo de entrada e saída de alunos e funcionários.

*Higienização dos ambientes:

Com o objetivo de desinfecção existe um protocolo institucional para a limpeza de ambientes escolares que deve ser seguido mantendo os cuidados e equipamentos necessários para a equipe de trabalho.

*Higienização de mãos

Acesso fácil a pia ou lavatório e estímulo à lavagem frequente de mãos. Exercícios pedagógicos práticos periódicos sobre lavagem de mãos. Na impossibilidade da lavagem de mãos sugere-se a utilização de álcool gel a 70 graus. Cartazes instrutivos sobre técnica de lavagem de mãos (técnica orientada pela ANVISA- Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

*Refeições na escola:

Oferecer refeições de modo que os estudantes estejam afastados priorizando os alimentos embalados individualmente. Evitar sistema self-service. Individualizar o uso de água para beber utilizando garrafas e copos individuais. Evitar bebedouros,

*Uso de máscaras:

Recomendado uso de máscara de tecido dupla que devem ser trocadas a cada três horas ou antes disso caso sujem ou umedeçam. Recomenda-se inclusive seu uso na Educação infantil a partir dos 2 anos de idade.

*Planejar cuidados com pessoas sintomáticas:

Só devem ir à escola alunos e profissionais que não apresentarem qualquer sintoma de doença. Essa responsabilidade é individual e também da escola que deve monitorar todos que adentram em seu ambiente, encaminhando prontamente o indivíduo sintomático para espaço isolado até que este se retire. Planejar comunicados à comunidade escolar e providências cabíveis na comprovação de indivíduo com o diagnóstico de Covid-19.

*Sinalização de fluxo de pessoas nas instalações escolares:

Bem como lembrar as medidas de contenção da transmissão viral e proporcionar dispensers de álcool gel nos vários setores do edifício.

*Planejar o uso de transporte escolar:

Basicamente as medidas de evicção de transmissão. Fica aqui minha preocupação pessoal referente aos alunos que dependem do transporte público para se dirigirem à escola.

*Evitar aglomerações de pessoas:

Temporariamente suspensas estão atividades como: festas, reuniões, competições, jogos e atividades que envolvam coletividade.

Espera-se que se efetivem com urgência investimentos suplementares para que o planejamento das ações essenciais para a reabertura das escolas em nosso país possa realizar-se da melhor maneira possível e com o mais importante que é a manutenção da segurança de nossas crianças e dos profissionais da área de ensino.

Me disponibilizo pessoalmente a enviar as Referências Bibliográficas, caso sejam de interesse do leitor. Todo o documento, que dispõe de 17 páginas é embasado cientificamente. Aqui faço um apanhado geral enfocando de forma direta o que se faz necessário para um retorno às aulas mais seguro.

Leia também...

Deixe um comentário