A relação das crianças e até dos bebês com a tecnologia

Faz algum tempo que eu penso em escrever sobre o modo como as crianças, inclusive as muito pequenas, inclusive os bebês, tem se relacionado com celulares, tablets e até mesmo com a televisão, inclusive eu escrevi um texto no ano passado como convidada, sobre o jogo de realidade aumentada Pokemon Go (confira aqui).

Em qualquer faixa etária as crianças são facilmente seduzidas por vídeos e jogos que são disponíveis nestes aparelhos, é um fato também que quanto mais tempo estes aparelhos forem ofertados a eles maior será a necessidade e a vontade de ficarem conectados. É muito simples e fácil compreendermos isto, haja vista que nós mesmos, adultos, somos capazes de ficar várias horas no celular, e que conferir mensagens e notificações tornou-se uma necessidade e algo que fazemos incontáveis vezes ao dia.

Bem, a menos que este seja o primeiro texto meu que você está lendo já dá para saber que o primeiro tópico para reduzir, modificar ou amenizar este comportamento do(a) seu(sua) filho(a), é modificando o seu próprio comportamento… Ou seja, do mesmo modo que para reduzir os medos infantis é necessário que os adultos elaborem seus próprios medos (confira aqui), e o mesmo vale para a ansiedade (confira aqui), se você não quer que a criança fique viciada e receba apenas os estímulos visuais e auditivos disponíveis em celulares e tablets precisa começar revendo a sua relação com estes aparelhos.

Ocorre, que o problema em questão não é a preocupação dos adultos responsáveis com esta relação das crianças com a tecnologia, o problema em questão é a FALTA de preocupação. Eu mesma já atendi e acompanhei na escola, crianças que estavam completamente viciadas em jogos, mas nunca pais preocupados com este comportamento.

A realidade é que nos tornamos uma geração de pais super protetores, e os perigos aos quais as crianças estariam expostas na rua, caso brincassem como fazíamos na nossa infância são realmente iminentes. É verdade também que a grande maioria das pessoas acumula várias funções, o que reduz a quantidade de tempo livre e de lazer com os filhos, e é verdade também que com os estresses do dia-a-dia manter os pequenos “desligados” do resto do mundo enquanto estão ligados em um vídeo ou jogo chega a ser um sonho de consumo. Tudo isto para dizer que SIM, eu entendo a falta de preocupação dos adultos com relação a isto. Só que a relação das crianças com a tecnologia É PREOCUPANTE, e é exatamente para acender este alerta que eu estou escrevendo este texto!

Assim como com o Pokemon Go você não precisa proibir e nem privar seus filhos de acessarem vídeos e jogos, eles tem vantagens, mas precisa dosar isto e oferecer outros estímulos, como ir a parques, praças, exercitar-se, estar em contato com a natureza, ter contato social e físico com outras pessoas, ler livros, ter tempo ocioso, ter acesso a jogos e brinquedos de modo geral, frequentar algum curso ou grupo fora da escola, e etc.

Quando se fala em bebês nada disso que eu falei até agora se aplica, é verdade, mas alguém me explica qual a utilidade de deixar um bebê com menos de dezoito meses “assistindo” algo? Antes de eu ver que isto acontece algumas pessoas me relataram e eu achei completamente inacreditável… Um bebê não tem a apropriação verbal e nem o desenvolvimento cognitivo necessários para compreender uma historinha ilustrada em um vídeo. A partir dos dois meses, eles começam a fixar o olhar e precisam encarar tudo o que veem para exercitar os olhos e quando expostos a vídeos (no celular, tablet ou televisão) são fácil e fortemente atraídos pelo brilho e sons que o aparelho emite.

A Academia Americana de Pediatria recomenda que se evite deixar crianças de menos de um ano e meio vendo televisão pois estas precisam de outros estímulos para se desenvolver, e que é mais saudável deixar que o bebê brinque à vontade, ou simplesmente observe o mundo ao redor do que expô-lo a este único e sedutor estímulo.

Ou seja, entendamos que estes aparelhos fazem parte das nossas vidas e que nossas crianças nasceram em um mundo onde eles já eram essenciais, mas não deixemos que eles tomem conta da nossa rotina e nem da rotina dos pequenos de uma forma naturalizada e sem controle. Se isto está acontecendo na sua família espero ter deixado uma pulguinha atrás da sua orelha, que o fará repensar e refletir o modo como VOCÊ usa smartphones, tablets e a televisão para entreter o seu filho!

Leitura recomendada:

Em defesa das brincadeiras

Leia também...

2 comentários

Avatar
Fabiola Da Silva Altino 20 de setembro de 2017 - 18:20

Como faz falta brincar, infelizmente nossas crianças estão fadadas a serem escravas da tecnologia, tendo como companhia tabletes, celulares, ipads. Lugar de criança é brincando correndo. Parabéns Talita excelente reportagem.

Responder
Talita Felipe
Talita Felipe 24 de setembro de 2017 - 12:31

Obrigada Fabíola!!! Tudo o que você disse também é verdade mas cabe a nós adultos remar contra esta maré de dependência tecnológica!!!

Responder

Deixe um comentário

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.