Por que não eu?

Por que não eu? Eu ouvi essa frase pelo menos três vezes na última semana, e o que mais me chamou a atenção foi o contexto no qual ela estava inserida.

Na maioria das vezes em que a havia ouvido foi sob a perspectiva da metáfora das laranjas (http://metaforas.com.br/o-caso-das-laranjas), mas dessas ultimas vezes, eu  a ouvi sob a ótica de pessoas que estavam acometidas por graves doenças ou segregação racial e isto me fez refletir sobre a forma como encaramos as coisas não tão boas que a vida nos apresenta ao logo da jornada.

Na correria do dia a dia, a rotina não nos deixa perceber o quanto a soma das coisas boas e das ruins nos é favorável.

É comum ouvir de pessoas que trataram doenças terríveis, dizerem que são muito mais felizes agora, após o tratamento do que antes de serem acometidos doença. Penso eu que é porque estiveram muito perto do sentimento de perda de coisas muito valiosas, da vida e de não compartilhá-la com seus entes queridos.

E foi justamente numa entrevista a um núcleo de pessoas que sobreviveram a doenças graves que esta frase foi dita e repetida pelos entrevistados, a explanação deles é a de que eles se retiraram do papel de vítimas e passaram a superar dia após dia cada etapa do tratamento até a cura.

Essa é a chave  de toda a questão, a vitimização. É muito mais fácil nos colocarmos no papel mais vulnerável e ficarmos questionando: “Por que eu?” do que assumirmos “a bronca” e repetirmos “e por que não eu? ”.

Isso muda muita coisa, a perspectiva de vida, de planos. É muito mais leve.

Ao passo que decidimos aceitar as coisas não tão boas, mudamos também a pergunta do “por que”, e passamos a nos perguntar “para que”. As respostas passam a ser muito mais interessantes, muito mais ricas em aprendizado e bagagem emocional, cultural.

Nem sempre há um porque, mas sempre há um para que. E assim,  na prática, acabamos por renunciar a um sentimento que todos temos, que é  o narcisismo exacerbado, o sentimento de que temos uma estrela que brilha mais em nós do que no outro ser, de que devemos ser imunes a qualquer experiência dolorosa.

Mas, não somos imunes a nada, felizmente.

Se há alguma coisa para o que mazelas da vida servem é para nos remeter ao humano e assim nos tornar mais sensíveis à existência, mais tolerantes com tudo e todos.

Mude suas perguntas, e a sua percepção  de vida será muito mais valiosa. Não existe evolução sem mudanças.

Beijos

@jannacamposp

Leia também...

Deixe um comentário

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.