O que saber antes de ir ao Paraguay?

Dezembro está despontando nessa semana, a Simone já tá rouca de tanto cantar “Então é natal…” nos corredores dos shoppings e a gente quer o quê? Economizar – ou pelo menos – comprar mais gastando o previsto.

Meu nome é Lelo -mentira, esse é o apelido- e eu estou aqui porque eu entendo de um dos destinos mais [bem e mal] falados da América do Sul: Paraguay. Exatamente pessoa aí do outro lado da telinha, vamos para o exterior. E aproveita que graças ao Mercosul, você não gasta nem com o custo do passaporte. #maismuambadetected

ae-cdeFonte: Google Maps

Na verdade, o Paraguay é um país muito mais complexo do que muita gente imagina, muita gente só tem a imagem de Ciudad Del Este que é um dos principais centros comerciais que existem no mundo. Também em outras cidades como Pedro Juan Caballero e Salto Del Guairá existe essa “aglomeração” de lojas e shoppings voltados para atender turismo de compras. Eu moro em Foz do Iguaçu e vou me ater a Ciudad del Este que é onde eu tenho mais acesso.

Vou iniciar desmistificando algumas informações confusas sobre compras no exterior. A cota é um dilema, então pega o post-it e cola aí esses detalhes:

A cota é U$ 500,00 para quem chega no Brasil de avião, OU U$ 300,00 para quem chega no Brasil de qualquer outro jeito – pode ser a pé, de carro, de vassoura ou nadando – não importa – se não chegou elegante e plena de avião a cota é U$ 300,00.

ae-voandoFonte: Youtube

Caso você gaste mais do que esse valor, o imposto cobrado pelo nosso lindo governo é de 50% do valor que excede a cota. Se não quiser pagar, a mercadoria é apreendida.

A parte boa é que essa verificação de quem adentra o país geralmente é feita por amostragem, ou seja, nem todo mundo é parado. Caso você seja vistoriado o número do seu RG e CPF será “cadastrado” e aí você não pode passar com comprinhas de novo por 30 dias corridos.

O que acontece muito? As pessoas vêm para cá, gastam mais de U$ 300,00 e perdem os “bons creme” tudo no aeroporto de Foz do Iguaçu. GENTE o aeroporto de Foz já não é aduana. A fiscalização de aduana nesse caso é a ponte, o aeroporto já é um posto avançado (dentro do país) e lá não tem choro, é apreensão e ponto final.

ae-carteirinhaFonte Google Imagens

Para visitar Foz, é necessário documento com foto com menos de 10 anos. Os registros profissionais, como de médico, advogado e etc. não são aceitos na Argentina por exemplo. Se você já tiver passaporte é a melhor opção. Senão Identidade Civil – a verdinha – ou em último caso Carteira Nacional de Habilitação – que nem sempre é aceita.

Carros para ir para a Argentina precisam de um seguro especial chamado Carta Verde, verifique se sua seguradora já incluiu na sua apólice. Se não tiver, aqui pertinho da aduana você pode fazer.

Menores de 18 anos só podem sair do Brasil com ambos pais OU com autorização judicial.

Separe um dia para visitar as cataratas, o parque das aves e o museu de cera.

Separe outro dia para City Tour e se você gosta de construções e inovações agende a visita técnica no site da Itaipu Binacional.

Separe, obviamente, um dia para fazer o que nós da fronteira costumamos dizer que é a “diária perfeita”: Café da manhã no Brasil, almoço no Paraguay e jantar na Argentina.

Para um início de conversa, acho que estamos bem. Prometo que eu vou tentar voltar com mais dicas ainda esse mês.

#bença!

Lelo

Leia também...

Deixe um comentário