Há poucos dias assisti “O Nariz”, documentário disponível no Netflix sobre o olfato e me emocionei. Já ouviram falar?


O documentário  mostra a importância desse sentido em nossa vida diária e o quanto ele nos conecta com as emoções e lembranças.

Já sentiu um cheiro que lhe causou saudades? Pega essa minha cara de “tô em casa” ao sentir os aromas desse Merlot 1991 da Dal Pizzol? Foi uma experiência que encheu meus olhos de lágrimas e o Julio Soares conseguiu captar o exato momento desse envolvimento.



A parte do cérebro que processa os aromas é diretamente conectada a parte do cérebro onde nossas emoções são processadas.

O fato de termos essa conexão tão imediata, primitiva e prioritária com nossas emoções significa que, na prática, é pela emoção que temos o primeiro contato com o sentido do olfato.

O documentário é interessante e divertido e vale muito a pena para quem ama vinhos e a viagem que seus aromas proporcionam.

E só para lembrar: os aromas nos protegem dos perigos! É através deles que sentimos se um alimento está estragado, se há vazamento de gás dentre tantas outras coisas. Porque então desprezar tamanha importância quando ele está ligado ao prazer da degustação?

Para entender mais um pouco sobre as técnicas de degustação e percepções aromáticas, relembre meu post sobre o tema aqui.

As fotos que ilustram o post são do Julio Soares e foram tiradas durante degustações na Vinícola Dal Pizzol, lá no Vale dos Vinhedos.

Até a próxima coluna, Keli Bergamo.

Leia também...

Deixe um comentário