O mistério da Vida

Muito se fala sobre os mistérios da morte, mas nunca se chegou a alguma resposta, e nenhuma das teses é unânime. Suponho que não é na morte que reside o mistério, mas sim na vida.
Ao nascermos, com o suspiro da vida, recebemos também o sopro da morte, e uma complementa a outra. Se uma não existisse, a outra não teria propósito.

A maioria se preocupa tanto em entender a morte que esquece de interpretar a vida. Tão misteriosa, tão surreal. Quem explica o arrepio no braço, as borboletas no estômago, a dor e o sonho?

Engana-se quem pensa que vivemos para sermos felizes ou para realizarmos sonhos. Na verdade, nós vivemos é para enganar a morte. Daí a importância de empregarmos nossa alma em tudo o que fazemos.

Embora saibamos que é algo certo e inevitável, a morte nos surpreende:
– Fulano morreu!
É um estardalhaço.

A verdade é que a nossa vida pode ser comparada a um rio profundo com correntezas que tentam nos puxar o tempo todo para o fundo, e lá está a morte. Ficam as roupas jogadas no cesto da lavanderia, a xícara de café pela metade, ficam as promessas e compromissos. Não dá para remarcar o dentista e nem usar aquele sapato separado para uma ocasião especial.

Poxa, nem deu tempo de ver o resultado da academia, a dieta ainda não surtiu efeito e o meu time ainda não venceu o campeonato e eu não pedi o meu amor em casamento.

É estranho, é incompreensível, mas é real: a morte nos espera, todos os dias. Muitos a veem como tabu, mas eu a vejo como um estímulo diário para respirar mais fundo, para sentir intensamente, comer, rir e porque não dedicar algumas horas à preguiça. As horas jogadas no sofá, ao contrário do que muitos afirmam ser perda de tempo, para mim significam uso de vida. O fazer nada também me fascina, é o meu querido “dolce far niente”.

Mas de vez em quando é bom perder o sono. O cansaço e as olheiras são sérios sinais de que você ainda está vivo..haha.

Eu tento não reclamar das coisas (embora tenha dias que é uma tarefa quase impossível), aprecio o sabor dos alimentos e me demoro à mesa. Sempre leio e pesquiso sobre coisas saudáveis, mas não abro mão de um junk food às vezes.

E sou intensa, visceral. Falo bobagem, mas sou um amor em forma de gente. É porque compreendo que a vida é muito mais simples quando espalhamos amor por aí. Não tenho tempo de andar carrancuda e nem de poluir minha alma com sentimentos ruins.

É o que nos mata aos poucos: a mágoa, o ressentimento, o ódio. Vai pesando tanto que não conseguimos mais voltar à margem. Ser leve é um deboche à morte. É como bater a porta na cara dela.

Vida e morte, um dia a mais nem sempre é questão de sorte. Muitas vezes é só questão de escolhas, e o que escolhemos ser não pode ser mudado depois que uma ceder espaço à outra.

Temos todo o tempo do mundo, mas nem sempre é tempo o suficiente pra mostrar, amar, sentir, sorrir. Use do seu tempo, gaste sua vida, porque diferente dos jogos de entretenimento, ela não se recarrega com o tempo ou com bônus.

Como disse Pedro Bial, “morrer é um chiste, obriga você a sair no melhor da festa sem se despedir de ninguém, sem ter dançado com a garota mais linda, sem ter tido tempo de ouvir outra vez sua música preferida.”

E depois? Nunca saberemos se o depois existirá. Reflita e não economize gentilezas nem abra mão de si por nadinha no mundo.
Que tal um pouco de Renato para ajudar nessa reflexão?
https://www.youtube.com/watch?v=2y8qf4Ej8zs

Beijos de luz.
@jannacamposp

Leia também...

Deixe um comentário

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.