​Quando falamos de luzes, especialmente no seu quarto, faz muita diferença investir em diferentes fontes, temperaturas e alturas. ​
​Quero dar algumas dicas para quem está desenvolvendo agora a luz dos ambientes mas também, algumas opções para quem quer complementar sem grandes bagunças. Tudo muito relaxante…
Particularmente prefiro iniciar a distribuição das diversas cenas de iluminação a partir das luzes de manutenção. Não é a luz bonita, a luz sexy a luz do relaxamento… é a luz de resolver a treta de perder a tarraxa do brinco, de limpar o chá derramado…
Antigamente era só o que era disposto para nós: Um ponto central no ambiente que era bem potente e mostrava todos os cantos. Essas luzes eram puramente funcionais e você pode optar por ela, aplicando apenas um painel de LED ou distribuindo vários pontos espalhados pelo espaço.
Agora uma conversinha mais técnica (simplificada).
De forma grosseira, pode-se considerar uns 500 lúmens por metro quadrado de quarto. Não entendeu? Lúmens seria a “brilhosidade” que a lâmpada oferece. Esta informação está na embalagem e provavelmente será em um modelo LED de aproximadamente 6 Watts. Entretanto, vamos tentar parar de associar o watt a potência, porque na verdade ele se refere ao consumo do produto.
E aí caímos em outro detalhe das luzes: a temperatura de cor. Essa propriedade é medida em “kelvins” e os tamanhos mais frequentemente encontrados estão entre 2700K até 6500K, sendo 2700k mais amarelinha – a tal luz quente, e 6500k a luz mais branca/azulada, coloquialmente dita luz fria.
Como hoje estamos tratando de dormitórios as luzes que indicamos é de 4000K – essa queridinha é a luz “morna ou natural” que mais se assemelha com a aparência da luz do sol pleno. Agora atenção: Se for para variar de tom no quarto, que seja para menos.
Arandelas são aquelas luzes que vemos em paredes, quase sempre em paredes de cabeceira. Elas são uma das fontes de luz mais frequentes em quartos. Conforme a altura da instalação ela pode estar mais adequada a leitura (próximo a altura do nosso corpo deitado) ou então ser uma fonte difusa de luzes (quando instalada acima de 140cm de altura) – tanto para relaxar quanto para criar um clima romântico.
Caso não goste ou não queira um ponto central, usar uma sanca com iluminação embutida dá um efeito suave e também ilumina todos os cantinhos de maneira uniforme.
Se não for o caso de fazer uma mega revolução no gesso, utilizar uma faixa apenas – geralmente na cortina – é algo que traz uma atmosfera de luxo moderno.
Se o imóvel não for seu, existe luz no fim do túnel…
Abajures,
luminárias de coluna (a.k.a. luminária de pé),
E como vemos acima, luminárias de mesa usadas de formas diferentes, no chão, criando efeitos inesperados.
Outras dicas são lâmpadas que mudam de cor e / ou de intensidade, além das moderninhas luzes que podem ser controladas pelo celular ou assistentes como a Alexa.
Chega por hoje? Temos ainda alguns pontos técnicos, mas vou deixar para um post futuro.
Se quiserem ver mais matérias escritas por nós, clique AQUI.
Voltamos logo,
Lelo
As imagens que ilustram o post são do Pexels , um banco de imagens gratuita para internet.

Leia também...

Deixe um comentário