Liberdade, surpresa e diferença

Antes de escrever sobre os eventos culturais, e restaurantes bacanas de Curitiba, bem como seus lugares escondidos, gostaria de fazer uma homenagem ao ataque que ocorreu em Orlando, no domingo passado:

A vontade é de ficar em silêncio até passar. Mas não passa. O massacre de Orlando, aconteceu e nada o apagará da memória do tempo.

Meu primeiro texto para a Revista AE falei um pouco sobre o escritor Oscar Wild. Era sobre uma peça em cartaz em Curitiba. No texto, falei que ele foi preso por escrever um livro entitulado “O Retrato de Dorian Gray” – dizia-se que o conteúdo violava as leis que protegiam a moralidade pública, na Inglaterra do século XIX.

Tendo em vista, e em memória, os horrores cometidos em Orlando na madrugada de domingo, gostaria de citá-lo. No livro de Wild, em certo momento, Lorde Berry diz para Dorian Gray:

…não se iluda. A vida não é governada pela vontade ou pela intenção. A vida é uma questão de nervos, fibras e células que crescem lentamente e nas quais o pensamento se esconde e a paixão sonha.”

Ainda é necessária a discussão das diferenças. Não se escolhe quem se ama. Afinal, somos todos humanos.

Cinema

Eu assisti a 2 filmes no 5° Olhar de Cinema que aconteceu em Curitiba. E nesses 2 filmes se entende a grandeza dos festivais e da arte cinematográfica. No primeiro, “Operação Avalanche”, o filme se passa em plena corrida espacial entre Estados Unidos e Rússia. Quem pisaria primeiro na Lua? Um mundo tecnológico e sonhador. No outro filme “Geographies”, produção libanesa que tem como tema um exílio solitário e uma peregrinação. O longa passa por cidades como Cairo e Beirute. Um cenário destruído e triste. E é a partir destas possibilidades e diferenças que o cinema tem a oferecer, que recomendo o

12° Semana da Europa – Festival de Cinema Europeu

para este final de semana. O Festival escolheu para este ano o tema “convivências”. Nada mais urgente neste tempo de intolerância. Diz o guia “o Festival se propõe como um momento para propor a paz e integração em prol do bem comum”. Desde o dia 14 em Curitiba, os filmes serão exibidos até o dia 19 – então corre! Todos os longos passarão na Cinemateca, e terá produções austríacas, francesas, húngaras e outros tantos países europeus.

Cinemateca – Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1174 – São Francisco

Museu

Amo ser surpreendido, pela arte principalmente. Na semana passada sai da minha aula mais cedo. Com esse tempo livre resolvi dar uma passadinha no MON – Museu Oscar Niemeyer. Comecei me surpreendendo: toda a quarta a entrada é franca. E toda a primeira quinta-feira do mês também. Não deixando de me surpreender, ao entrar, a exposição

Centenário de João Vilanova Artigas

é incrível. Eu amei muito. Para quem não sabe, eu também não sabia até então, João Vilanovas Artigas foi um arquiteto curitibano – e que arquiteto. Vale a ida ao MON. E não só por essa exposição, mas por tantas outras. Esta vai até o dia 19 – então corre!

Outra exposição “Moderna Para Sempre”, também no MON, é de fotografias das décadas de 40, 50, 60 e 70 – todos de autoria de mestres do estilo no Brasil. Maravilhosa porém terminando, até o dia 24 – corre corre!

Para finalizar os motivos para você ir ao Museu, termino dizendo da exposição “Obras sob guarda do MON”. Nela você encontra obras apreendidas pela Operação Lava Jato. E sabe o que eu mais gostei de fazer? Imaginar aonde estavam aquelas obras, em qual ambiente, adquiridas sob quais circunstâncias e por fim, se elas tivessem ouvido, quantas historias elas não teriam? Corre porque essa exposição também vai até o dia 24.

Rua Marechal Hermes, 999 – Centro Cívico

Curitiba

O frio está forte aqui na nossa capital. Porém, eu sinto informar, o inverno ainda não chegou. Toda essa onda de frio que passamos, na verdade, ainda é outono. O inverno chega no dia 20 de junho as 19h e 34 minutos, se você gosta de precisão. E para comemorar, ou não, apenas aproveitar e aceitar, o MuMA – Museu Metropolitano de Arte vai realizar a

Terceira Virada Climática

O evento está programado para este domingo, véspera da chegada do inverno no hemisfério sul. E em vista das mudanças climáticas, tão em voga nos dias de hoje, irá acontecer uma “Bicicletada Climática”. Um passeio que tem início na Praça Nossa Senhora do Salete – Centro Cívico, indo até o MuMA (trajeto de 10 e 20 km). Chegando no Museu Metropolitano, na parte da manhã terá aula de Yoga, Boxe, artesanato, feira vegana e de trocas, atividades para crianças e outras tantas programações.

Na parte da tarde está previsto aula de zumba, sessão de cinema, música, seminário, oficina e contador de estórias. Quem for os 100 primeiros inscritos na “Bicicletada”, terá direito a um kit do evento. E tudo de forma gratuita.

www.viradaclimatica.com.br

Praça Nossa Senhora da Salete – Centro Cívico

MuMA – Av. República Argentina, 3430, Terminal do Portão – Portão

Gastronomia

Curitiba é muito grande para a gente se limitar aos lugares que a gente ama – no meu texto passado falei das vantagens de se ir aos lugares em que estamos acostumados. Pois nesse texto vou falar sobre arriscar. Arriscar pode nos trazer algo surpreendente: a gente pode gostar do que descobrimos. E com isso, criamos novos hábitos e aumentamos nossos horizontes. Por isso, para quem gosta de sanduíche o

3º Circuito dos Sanduíches de Curitiba

é uma ótima maneira de conhecer novos lugares. Até o dia 21 você pode experimentar sanduíches diversos em 57 estabelecimentos espalhados por Curitiba. Quer algo melhor? O preço é fixo: R$15,90. Você pode fazer seu roteiro e aproveitar nesse final de semana. Porque se surpreender (com alguém, com a arte ou com a gastronomia) é tudo de bom.

http://migre.me/u8aV3

Música

Engana-se quem pensa que a música se faz com meia dúzia de instrumentos – guitarra, bateria, teclado, baixo (…). A beleza das coisas, bem como da vida, está naquilo que a gente não conhece, ou no diferente mesmo. Para isso, o

Centro Cultural Sistema Fiep

tem programado para esse mês a apresentarão da banda Thunder Kelt. A banda faz apresentação com instrumentos como gaitas de fole, harpa celta, whistles (flautas irlandesas), violão folk, violino e outros mais. Eu vi alguns de seus vídeos e gostei bastante – bem diferente daquilo que estamos acostumados. Gratuito e a apresentação é no dia 25.

Mas agora, se você prefere o bom e velho jazz, sugiro, no Teatro SESI, o grupo curitibano Jazz Cigano Quinteto faz uma apresentação com Yamandu Costa – excelência no violão de sete cordas. No dia 26 com ingressos custando 15 a meia entrada e 30 reais a inteira.

Centro Cultural – Av. Cândido de Abreu, 200 – Centro Cívico

Teatro SESI – Av. Comendador Franco – 1341 – Jardim Botânico

Thunder Kelt: http://migre.me/u8bys

Jazz Cigano Quinteto: http://migre.me/u8bqm

Literatura

Acredito que no texto desta quinzena, prezei pela liberdade, surpresa e diferença: filmes estrangeiros tendo seu espaço na Cinemateca, exposição para se surpreender, resgatado nossa história com o arquiteto curitibano Artigas, pedalar por Curitiba na Virada Climática, buscar novas paixões no Circuito de Sanduíches e descobrir novos estilos de se fazer música com Thunder Kelt.

A liberdade custa caro e é um processo longo e demorado para atingi-la de forma plena. Ainda temos uma trajetória longa para percorrer. Mesmo custando caro ela é necessária, sob qualquer circunstância, em qualquer lugar, principalmente em tempos conturbados como o nosso. Por isso, o livro

Princesa Isabel, a Redentora

da autora Ivete Gualberto, pode nos agradar. Princesa Isabel é aquela que em 1888 libertou os escravos, no Brasil, com a Lei Áurea. E a pergunta que fica é: quantas princesas ainda, em pleno século XXI, precisamos para livrar todas as pessoas de todos os tipos de preconceito?

No dia 22, as 19h30, a autora estará em Curitiba, em uma sessão de autógrafos na Livrarias Curitiba. Segue o a chamada: “Na vida da Princesa Isabel, é possível encontrar virtudes que enriquecerão o modo de pensar, de falar e de agir do leitor”. Importantíssimo para aqueles que querem melhorar seu modo de olhar a vida e os outros.

Shopping Mueller – Av. Cândido de Abreu, 127 – Mercês

Aprender com o passado é a melhor fora de se olhar o presente e do que esperar do futuro. Oscar Wild, João Vilanova Artigas, Princesa Isabel. Nestes momentos de incertezas, o melhor é se apoiar na história. Para finalizar, uma passagem de Artigas:

“O valor artístico é um valor perene, enorme, inestimável. É um valor sem preço e sem desgaste. Pelo contrário, aumenta com os anos e à proporção que os homens se educam para reconhecê-lo. O valor artístico subsiste até nas ruínas. Os anos correm e desgastam o material, enquanto valorizam o espiritual.”

Conto com você para ajudar num mundo melhor. Aguardo o seu retorno e até a próxima.

Eduardo Martinesco.

Leia também...

Deixe um comentário