Que friozinho na barriga pela tão esperada estreia no AE… Depois de um convite super fofo da Fran estou aqui para dividir um pouquinho mais sobre minha paixão pelos vinhos com vocês….

Mas por onde começar?? É tanta coisa pra contar… Tantos vinhos para sugerir.

Vou começar me apresentando…

Como vocês podem ver na bio, sou advogada, mas há mais de 10 anos tenho me dedicado a cultura do vinho, estudando, viajando e degustando muito.

Vinhos podem parecer complicados, difíceis, mas são também um caminho sem volta…  Quem se apaixona nunca mais verá uma garrafa com os mesmos olhos e é esse despertar que quero provocar em vocês.

Pensei em vários temas para meu primeiro post e acabei optando por falar dos vinhos rosés, até hoje injustiçados por alguns apreciadores.

Eu mesma já tive minhas reservas com o vinho rosé, ouvi falar que a cor dos tintos era retirada quimicamente e isso o tornava um suco com álcool, que era um vinho “brega”…  Mas nada que uma boa pesquisada não me fizesse entendê-lo e inclui-lo em minha adega.

Os rosés são vinhos que exigem extremo cuidado em sua elaboração. Têm como berço a Provence, na França. E é de lá que eu recomendo seja a primeira garrafa degustada (caso ainda não o tenham feito) e um dos rótulo que indico hoje.

Ao contrário do que muitos acreditam, o vinho rosé não possui nada mais químico do que outros vinhos. Seu processo, aliás, é delicadíssimo. As uvas tintas são maceradas e permanecem pouco tempo em contato com as cascas. Pelo controle do enólogo é verificada a cor que se pretende para retirar as cascas e então se inicia a alquimia habitual e mágica dessa bebida divina.

Na França, além dos tradicionais da Provence, também encontramos deliciosos exemplares oriundos de Languedoc, Bordeaux e no Vale do Loire.

Para quem está muito habituado aos tintos e prefere algo de mais impacto, minha dica são os rosés da Itália, Espanha (um ótimo exemplar é o Prado Rey, da Decanter, que vai muito bem com uma paella) e Portugal, que tem rótulos com mais “pegada”.

Tem mais facilidade para comprar argentinos e chilenos?  Existem ótimos rótulos elaborados com malbec e cabernet sauvignon. Do Chile vale provar o Montes Cherub (importado pela Mistral), que além de delicioso tem um rótulo lindo.

No Brasil temos rosés de muito valor. O meu favorito vem de Santa Catarina: Estou falando do Villa Francioni, de São Joaquim.  E só para constar, quem também se apaixonou por ele quando esteve no Brasil foi a diva Madonna.

Em geral, os rosés vão bem com peixes como salmão além de ostras, camarões, lagostas. Também podem ser bebidos sozinhos, apenas com uns queijinhos ou na praia e piscina, simplesmente apreciando o momento.

Dos bons rosés que provei nos últimos tempos indico dois para vocês:

Cuvée de Oratoire 2013, importado pela Chez France.

vinho rosé

Os rosés se desgastam com a viagem e até por isso é sempre bom procurar safras jovens. Esse vinho, apesar de 2013, estava bem jovem e fresco, com aromas de tutti fruti, quase um algodão doce e muito persistente. Degustei à beira da piscina, apenas com alguns aperitivos.

♣ Rosa dei Masi 2014, importado pela Mistral.

vinho rosé

Fiquei encantada com esse rosé, elaborado com uvas Refosco levemente passificadas. Um pouco mais encorpado que o Provence acima, mas sem perder sua delicadeza. Harmonizei com uma salada de folhas verdes e mexilhões e ficou maravilhoso.

Gostaram das dicas?

Um beijo e até a próxima coluna, Keli Bergamo. 044

Leia também...

16 comentários

Avatar
William Maximo 15 de fevereiro de 2016 - 09:24

Keli. Parabéns pela estréia. Começou em grande estilo. Realmente os vinhos rosés precisam ser melhor explorados.
A matéria ficou muito boa. Sucesso.

Responder
Keli Bergamo
Keli Bergamo 15 de fevereiro de 2016 - 15:16

Obrigada, querido amigo! Fico muito feliz em ver seu comentário por aqui. Um beijo!

Responder
Josi
Josi 15 de fevereiro de 2016 - 10:33

Adorei demais esta nova coluna!! Confesso que acabo deixando de lado os rosés devido algumas experiências frustrantes… Agora despertou meu interesse, talvez não estava sabendo escolher corretamente.

Responder
Keli Bergamo
Keli Bergamo 15 de fevereiro de 2016 - 15:16

Obrigada, querida! Fique a vontade para sugerir temas ou falar de suas dúvidas. Estou a disposição. Um beijo.

Responder
Avatar
Mariana Boscardin 15 de fevereiro de 2016 - 12:20

Arrasando com sempre, ” teacher”. Parabéns e obrigada por compartilhar conosco seus conhecimentos e amor pelos vinhos. Bjos da ” tia” e sucesso sempre!!!

Responder
Keli Bergamo
Keli Bergamo 15 de fevereiro de 2016 - 15:15

Obrigada, querida!!! Agora temos mais esse canal para falar desse assunto que tanto amamos. Beijos!

Responder
Avatar
Heroldo Secco Junior 15 de fevereiro de 2016 - 12:31

Parabéns!!!

Responder
Keli Bergamo
Keli Bergamo 15 de fevereiro de 2016 - 15:15

Obrigada! Em breve um novo post. Continue nos acompanhando. Abraço.

Responder
Avatar
Renata Moro 15 de fevereiro de 2016 - 15:40

Parabéns minha querida!!! Maravilhosa a sua enomatéria, sem dúvidas você já é mais que uma enófila.
Para quem não conhece a Keli digo o seguinte: é uma pessoa muito especial que está sempre disposta a ajudar a quem precisa. E quando o assunto for vinhos/espumantes é com ela mesmo, pois até uma harmonização para acompanhar os vinhos ela sugere…
Espero que você seja convidada para escrever mais matérias sobre o melhor da vida “vinhos”.
Deus te abençoe.
bjs

Responder
Keli Bergamo
Keli Bergamo 15 de fevereiro de 2016 - 16:07

Querida, muito obrigada pelo carinho. Você sabe que faço com todo coração. Que venham muitos bons vinhos a nos inspirar. Beijos!

Responder
Avatar
Elis Reis 15 de fevereiro de 2016 - 16:11

Parabéns pela estréia Keli!!!! Espero pela próxima dica.

Responder
Keli Bergamo
Keli Bergamo 15 de fevereiro de 2016 - 16:30

Querida, que bom que gostou! Que logo a gente possa dividir um bom rosé com muitas risadas. Beijos!

Responder
Avatar
Fernando Iasbek 15 de fevereiro de 2016 - 20:57

Parabéns Dra.
aprendi muito.

Responder
Keli Bergamo
Keli Bergamo 16 de fevereiro de 2016 - 08:45

Obrigada, Fer! Feliz em ver você passando por aqui, amigo. Bj!

Responder
Avatar
Raquel 17 de fevereiro de 2016 - 15:03

Realmente não se fala muito nesse tipo de vinho. Gostei bastante da matéria e com certeza prestarei mais atenção quando passar por eles!

Responder
Keli Bergamo
Keli Bergamo 18 de fevereiro de 2016 - 11:29

Raquel, que bom que gostou! Fique a vontade para sugerir temas para as próximas matérias. Beijos!

Responder

Deixe um comentário