Como mãe várias vezes me deparei planejando o futuro da minha filha. E pergunto: o que esperam; o que querem e o que planejam para o futuro de seus filhos? Muitas vezes projetamos para eles uma vida de sucesso e buscamos traçar planos sem percalços para que não tenham decepções ou frustrações.

Mas chegou o momento que a criança cresceu já possui assas e começa lançar pequenos vôos, períodos que deverá buscar sua independência, ter namorada (o), dirigir, escolher o curso para a faculdade, entre outros.

Porém nada disto acontece, o mundo deste jovem para, ele está paralisado, fechado em seu pequeno mundo que se limita ao seu quarto aos jogos, serie que simulam uma vida longe da sua realidade, uso frequente de entorpecentes no intuito de aliviar pensamentos negativos e horas de relaxamento e prazer.

Infelizmente estes jovens são uma porcentagem considerável do público atendido nos consultórios de psicologia e psiquiatria, são trazidos pelos familiares que já fizeram várias tentativas com profissionais diferentes. Os pais encontram-se doentes por se sentirem culpados pela saúde mental do filho que está abalada.

A psicologia busca entender quais foram os fatores sociais, psíquicos e biológicos influenciadores do estado mental deste jovem que não tem mais brilho em seus olhos como deveria para sua idade, o presente é sem cor como sua pele pálida, seu futuro ameaçador mesmo existindo o desejo de atender as expectativas projetadas dos pais, entretanto, recusa-se por medo de frustrar ou não dar conta daquilo que esta por vir.

Os pensamentos negativos, sentimentos de tristeza e impotência os perduram durante o dia deste jovem como assombrações em mundo de fantasmas, para eles a única saída será dormir e não acordar mais, sinais de ideação suicidam preocupam profissionais e os familiares.

Pais se culpam por não conseguir cuidar e amenizar o que eles tanto temiam o sofrimento e a frustração daqueles que mais amam, respostas de cura ou quanto tempo vai perdurar nem mesmos nós psicólogos conhecedores do comportamento humanos podemos fornecer. A psicoterapia poderá trazer alivio para toda a família, o trabalho será pautado em amenizar sintomas e comportamentos disfuncionais e por meio de técnicas especificas, mostrar para este cliente suas habilidades, onde ele é o protagonista de sua história pontuando que não há como viver sem dores ou sofrimentos.

Augusto Cury brilhante em suas palavras coloca:

Quem quer o brilho do sol tem que adquirir habilidades para suportar a adversidade e ser resiliente para atravessar o breu de sua noite. A vida é uma grande aventura onde dias e noite se alternam, não há milagres: só o milagre da vida

O papel da psicoterapia também esta em conscientizar os pais do seu real papel na vida dos filhos e aceitação das suas escolhas, não tem um único responsável pela patologia adquirida ou pelo comportamento de um filho ou o responsável sozinho para conseguir modificá-lo, se assim fosse Einstein considerado um dos maiores cérebros da humanidade teria conseguido livrar seu filho da Esquizofrenia, ou então buscaria formas para resolver e jamais o internaria no manicômio, mas será que se agisse de tal forma teria feito tantas descobertas para humanidade.

Os pais bem com os filhos possui limitações, devem filtrar estímulos estressantes e crenças que devem atingir objetivos pré estabelecidos por regras de uma sociedade capitalista que prega em sempre dar o máximo reforçando idéias que jamais vai atingir o seu potencial. É preciso investir na saúde psíquica,  saber reciclar o lixo psíquico que está exposto e assumir o protagonismo de sua historia aceitando os riscos e as frustrações que fazem parte da trajetória.

Andréia A. Faé

Leia também...

Deixe um comentário