Interiores – Fundo Permanente

Tudo certo por aí gentEEE?

Hoje eu quero explicar para vocês algo que a faculdade de arquitetura não me ensinou: Fundo permanente. Chamamos assim, dentro do Design de Interiores, uma tríade formada por Piso+Parede+Teto.

Juntos esses três “pedaços” de uma ambiente representam 2/3 da sua decoração. E para o design eles são considerados algo “permanente” por causa da dificuldade em modificá-los.

Claro que teto e paredes podem ser facilmente alterados com tinta ou até um papel de parede, um piso pode ser suavizado com um tapete, porém, convenhamos que trocar piso ou  revestimentos de parede geram o transtorno de retirar, refazer nivelamento, assentar novamente… gerando investimento em tempo, sujeira e necessidade de um excelente profissional.

Claro que existem opções menos problemáticas (assentamento dee piso sobre piso, porcelanato líquido, por exemplo) mas esses recursos são limitados e não se aplicam a todos os casos.

Quando passamos a pensar nas paredes, acho que da tríade é o que tem mais alternativas. Além das tintas, com e sem efeitos, temos papéis de parede dos mais variados modelos, revestimentos, pedras, espelhos, painéis, tecidos…

E até a maneira que aplicamos as coisas interferem no resultado, veja essa imagem “célebre” da internet que mostra as diferentes sensações que temos simplesmente modificando a forma de empregar a cor:

Incrível, não acha? Todos os desenhos são os mesmos, só muda o local que está verde.

Atualmente, temos opções praticamente infinitas para utilizar no chão, e além disso, diversas maneiras de assentar um mesmo produto, a famosa “paginação” que cria diferentes sensações e resultados no fundo permanente.

E cada pito de material pode ter outras paginações variadas, não apenas estas acima, que são as mais comuns.

O teto é onde menos temos variações, gesso, pvc, madeira, papel de parede, concreto aparente são os itens que geralmente figuram sobre nossas cabecíneas.

O mais provável é que o teto seja o menos fantasiado da turma do fundo permanente, mas nada impede que façamos uso de um belo desenho de forro de maderia, ou de uma laje nervurada como a foto acima. Desenho de gesso, disposição de luzes, tantos os rasgos iluminados quanto os pontinhos, interferem na áura de casa espaço projetado.

Você já tinha parado para pensar em quanto essa turminha influencia o astral da sua casa?

Conta pra gente nos comentários.

#Bença!

Lelo

 

Leia também...

Deixe um comentário