Interiores – Camadas de Luz

Eu tô chegando com as camadas de luz, mas não esqueça que a Mônica mostrou uma opção super especial de iluminação para quem vai investir num visual industrial/escandinavo. Se você perdeu, olha AQUI.

Mesmo que você tenha um teto com uma distribuição de pontos bem feita, ainda que sem um projeto de interiores existem outras formas de iluminar ambientes e trazer diferentes cenas e sensações.

Quando se faz um projeto pleno de interiores (onde a gente prevê cada detalhe) esses pontos ficam em arandelas, balizadores, sancas e retro iluminação de móveis e painéis. Falei alguns termos estranhos? #vemkotio:

Arandelas são aquelas luminárias que prendemos na parede, que dão um aconchego especial, e que achamos de suma importância quando o pé direito é muito alto, pois a manutenção fica muito mais fácil.

Balizadores são luminárias muito comuns em degraus de escadas e em caminhos de jardins, assim como muitas vezes também são instaladas no piso para dar destaque em paredes especiais:

Provavelmente a sanca é a mais comum para você, que é aquele rasgo no gesso com luz que rebate no teto ou na parede  e pá! Deixa tudo muito elegante.

A retro alimentação, como o próprio nome sugere, é uma luz que vem por trás (ui!) e também  é uma luz que deixa os ambientes mais intimistas.

 

No caso  de um espelho por exemplo, também auxilia muito para maquiagem. Porém, nesse caso eu indico um controle de intensidade.

Contudo, vamos imaginar que você não pôde, não sabia, ou simplesmente não quis ninguém meter o bedelho na sua casa. Aí você descobriu que faltou um pouco de personalidade, de luz ou de versatilidade..

Tem como usar recursos paliativos. Iluminação no mobiliário, como os painéis que eu mostrei acima, ou até mesmo uma luz de trabalho, como barras de LED na cozinha, são itens teoricamente fáceis de se implementar.

Digamos que você não quer investir em mobiliário planejado. Vamos criar essas camadas de luz abusando de itens soltos, como abajoures, que tem uma infinidade de estilos, tamanhos e potências.

Eu sou apaixonado pelos de estilo Tiffany´s que foram criados no final do século 19, e são clássicos atemporais.

Já as meninas aqui no escritório querem me internar cada vez que falo deles. Ainda bem que a camisa de força que temos aqui é PP e não serve em nenhum de nós. Em minha defesa eu preciso dizer que essa foto que foi uma das poucas que encontrei na internet com diversos produtos dessa linha agrupados e que eu não gostei de nenhum. Mas eu juro que tem uns lindos.

Uma peça que eu não sei porque os brasileiros não usam são as luminárias de coluna – que são conhecidas como de chão também. Essas belezuras são encontradas nas mais diversas formas, tamanhos, materiais e estilos. Atente-se ao efeito que você precisa, como uma luz mais direcionada, mais difusa ou mais ampla para escolher o produto e o tipo de lâmpada ideais.

Quando estamos criando a iluminação de ambientes, gostamos de pensar nos diversos usos que o espaço pode ter, e distribuir pontos de iluminação em comandos diferentes para que vários propósitos possam ser alcançados.

Uma sala pode ser usada para:

Receber amigos, o que pede uma luz baixa, porém bem distribuída.

Assistir um filme,  que necessita de quase nenhuma luz, é só pra achar a pipoca e o caminho do banheiro.

Ler, o que pede uma luz alta, que eu julgo ser a mesma luz plena usada para:

Limpeza, muita claridade, bem distribuída em todos os cantinhos e com o mínimo de sombras possível.

Ou seja, no mínimo temos que prever três formas de uso de camadas de luz para uma sala bem especial.

Conta para gente nos comentários, como é a luz da sua sala?

#Bença!

Lelo

Leia também...

Deixe um comentário