Gestante pode consumir alimentos crus?

Mulher grávida pode comer qualquer alimento? Não pode passar vontade? Isso é o que todo mundo diz… Mas pela saúde da mamãe e do feto, é preciso sim tomar muito cuidado com a ingestão de alguns alimentos.

É importante que a mulher tome cuidado com a ingestão de alimentos crus, mas sem paranoias – não há necessidade de parar de comer frutas com casca, por exemplo; elas só precisam estar bem limpas. O ponto principal é estar atenta à higiene do local onde se faz a refeição e a certeza da boa procedência dos alimentos.

O maior perigo existe se a gestante nunca teve contato com o agente chamado toxoplasma (protozoário encontrado em alimentos crus e mal lavados), que provoca a toxoplasmose. Na maioria das vezes, essa doença se manifesta como uma gripe forte, que, na gravidez, compromete a saúde do bebê. A infecção pode atravessar a barreira placentária e afetar o feto, provocando graves sequelas cerebrais.

A listeriose é outra doença transmitida por alimentos contaminados. Nesse caso, pela bactéria listeria. Patês crus, queijos de pasta mole –como brie, camembert e roquefort– e leites não pasteurizados e seus derivados são os principais vetores de contaminação.

Outra infecção alimentar que merece atenção é a salmonelose, problema provocado por diferentes espécies da bactéria salmonela, presentes em alimentos crus ou mal cozidos e contaminados por fezes.

A digestão dos alimentos crus pode causar um desconforto na gestante, pois no período gestacional existe uma diminuição dos movimentos peristálticos e das secreções gástricas e essa diminuição favorece para que a grávida tenha uma sensibilidade maior a determinados alimentos no aspecto da digestão. Esses alimentos crus são mais difíceis de digerir. Também há a maior possibilidade de refluxo ao comer alimentos crus. Além do peixe, carnes mal passadas, quibe cru, ovos crus ou com as gemas mole, devem ser evitados.

Peixes Crus e Comida Japonesa

Os peixes podem se deteriorar facilmente quando manipulados de forma inadequada ou expostos a temperaturas impróprias. Certos peixes têm níveis elevados de metil mercúrio, substância que causa danos neurológicos e problemas de desenvolvimento no bebê. O ideal é limitar o consumo, mesmo que cozido, a 350 gramas por semana.

Carne crua ou mal passada

Podem conter microrganismos prejudiciais à saúde. Se fossem completamente cozidas, eliminariam os contaminantes e assim não haveria risco de infecções.

Maionese crua

O produto contém ovos crus –veículo que transporta as variedades de salmonela. Esqueça também gemada e sorvete caseiro.

Verduras e legumes crus

Não há problema se forem higienizados em solução de hipoclorito de sódio, seguindo as recomendações de cada fabricante. Depois, devem ser escorridos e lavados novamente em água filtrada para retirar o produto.

A gestação é um momento único na vida da mãe, e a saúde de mamãe e bebê devem ser prioridade. Fiquem atentas!!

Bjusss da Nutri Materno Infantil

Leia também...

Deixe um comentário