Fidelidade é para relacionamentos, não para vinhos

Ai que impactante isso… Mas é verdade: Fidelidade é para relacionamentos, não para vinhos.

Chega de comprar caixas e caixas do mesmo vinho. Tem um mundão de coisas novas pra conhecer.

Razões para não se acomodar:

– São 1.368 uvas viníferas conhecidas no mundo!

– Milhares de características possíveis pelo efeito do terroir.

– Muitas possibilidades conforme as técnicas de vinificação empregadas.

– Muitas histórias a serem contadas.

Porque ficar no mais do mesmo?

Hoje o post traz dicas de vinhos para você substituir seus favoritos e testar algo diferente.

Dá uma olhadinha em minhas sugestões:

Um branco de ENCRUZADO!

 – Grande variedade portuguesa.

– Produz vinhos brancos excepcionais, quase que de modo exclusivo no Dão.

– Origina vinhos voluptuosos e complexos, com notas minerais aromáticas e frutas tropicais, especialmente mamão verde, maracujá e melão.

– Envelhece bem. É por muitos comparada aos bons Borgonhas!

– É uma companheira de mesa flexível contendo, ao mesmo tempo, as características dos vinhos mais encorpados e os aromas delicados de vinhos mais leves e perfumados.

Provei esse – que não está a venda no Brasil – há alguns dias e amei:

Mas a dica é buscar o melhor disponível no mercado brazuca: Quinta dos Roques, a venda na Decanter. 

 

Um BEAUJOLAIS sem preconceitos!

–  Beaujolais construiu sua reputação em Lyon e Paris como um vinho fácil de beber, agradável  e sem grandes pretensões. Apenas frescor e fruta cítrica vívida. Se preserva mesmo com a preocupante padronização que a moda impõe aos vinhos.

– um vinho “andrógino”: coloca-se entre o tinto e o branco combinando a cor daquele e a facilidade de beber deste.

– A uva gamay, maceração carbônica e solo de granito originam vinhos com fruta vibrante e baixíssimos taninos no caso dos Beaujolais Noveau.

– Fiel parceiro da culinária francesa tradicional e da comida asiática condimentada.

Eu adoro o Mongon (um dos 10 Crus da região) da foto, também disponível na Decanter:

E tem outras opções bem legais também na Delacroix!

Um AGLIANICO bem compreendido:

– Aglianico “alli-yawn-nico” é um vinho tinto encorpado, encontrado quase exclusivamente no sul da Itália, nas regiões da Campania e Basilicata.

– Perfeito para quem adora vinhos rústicos.

– A verdadeira magia de Aglianico aparece ao paciente. Tal como os Barolos. os vinhos Aglianicos bem feitos não começam a dar o seu melhor até aos 10 anos de idade. Por isso é conhecido como o Barolo do Sul!

– Excelente alternativa a Cabernet Sauvignon e Shiraz. Dá uma olhada como é potente:

Um vinho saboroso como Aglianico combina bem com pratos de caça, churrasco e temperos.

Não é uma uva tão fácil de achar, porém é possível encontrá-la pelo nome ou pela denominação mais clássica da região: Taurasi.

Na Decanter também tem boas opções.

Gostaram??

Arrisquem um dos vinhos acima e me contem.

Até a próxima coluna, Keli Bergamo

Leia também...

Deixe um comentário