Por diversas vezes ouvi que europeu não pode ver um raio de sol que já ergue as mangas. Se jogam na grama dos parques, ficam ao ar livre o máximo que podem.

Nestas últimas semanas, o frio tinha voltado à Curitiba. O “tempo feio”, nublado, frio, chuvoso. Em excesso, como tudo na vida, concordo com o termo “tempo feio”. Mas quando uma frente fria aparece lá no sul do mundo e vem em nossa direção para quebrar a rotina de muito calor, eu agradeço.

Estamos, principalmente nesta semana, com um céu limpo. Nem as nuvens vem nos visitar. Nem de longe, no horizonte. Sob os raios de sol, no azul profundo do céu, o tempo é de verão. Quem sabe um gostinho do que está nos esperando na estação das festas.

Depois de algumas semanas de “tempo feio”, eu mesmo ergui as mangas. Peguei sol nos intervalos de meus compromissos e queria mais. Fiquei com vontade de deitar nos parques da nossa Curitiba e ficar lá, vendo o corre dos nossos dias.

Talvez alguém já tivesse entendido os europeus. Mas para mim, foi a primeira vez que entendi o povo de lá. Dei mais valor ao sol nosso de poucos dias em Curitiba.

Literatura & Curitiba

“Que metro serve
para medir-nos?
Que forma é nossa
e que conteúdo?
Contemos algo?
Somos contidos?
Dão-nos um nome?
Estamos vivos?”

– Carlos Drummond de Andrade – Perguntas em forma de cavalo-marinho

Parque e livro, para mim, tem tudo a ver. Sempre quando posso, levo uma toalha, deito a sombra de alguma árvore e leio qualquer coisa. Leio, escrevo e quando dá na telha, uma cochilada vai bem também. Porém, no texto desta quinzena, não vou recomendar um parque para você ir, mas sim o

Litercultura

principal evento literário da capital. Desde 2003, o evento que começou nesta sexta (26) e vai até domingo (28), conta com a participação de vários autores. Além de palestras, o Litercultura terá oficinas, mostra de filmes, flash mob e outras programações.

Você pode conferir em www.litercultura.com

  • A Casa Branca divulgou os livros que o presidente Barack Obama vai ler em suas férias com a família. Alguns livros desta lista são:
  • F de Falcão – Helen MacDonald
  • A Garota do Trem – Paula Hawkins
  • Toda a Luz que Não Podemos Ver – Anthony Doerr
  • Washington: A Life – Ron Chernow (biografia do primeiro presidente dos Estados Unidos)

Cinema

Eu amo o mundo globalizado. Penso que quanto mais conhecemos outras culturas ao redor do mundo, mais temos a chance de valorizar a nossa. E de melhorá-la, por que não? Cidades cosmopolitas são os locais onde eu gosto de estar. Escutar em alguma linha de metrô diversas línguas, ver diversas vestimentas – me faz crescer. A

8 1/2 Festa do Cinema Italiano

celebra este sentimento que as pessoas podem ter junto a mim. Esta Festa nasceu em Portugal, já está em seu nono ano, exibe filmes italianos e está em Curitiba pela primeira vez. Genial. Procurando agradar diversos gostos, o evento contempla desde filme que celebra o cinema humanista, thriller e drama psicológico, além de comédia, ação e ficção científica. Você tem até o dia 31 deste mês para conferir. Todos no Espaço Itaú.

Espaço Itaú – Rua Comendador Araújo, 731 – Batel

  • Quando ouço que Woody Allen está para estreia um filme, eu corro para o cinema. “Blue Jasmine” é um dos meus filmes preferidos do diretor. Nesta quarta, Allen estreiou

Café Society

e as críticas estão ótimas. Ainda não fui ver, mas vou o quanto antes. Podemos esperar um triângulo amoroso, com Jesse Eisenberg e Kristen Stewart.

Museu

Jazz é ritmo e um significado

– Henri Matisse

A superação é louvável. Em todos os campos da vida humana – no cotidiano, no trabalho, no esporte, na vida artística. Muitas vezes não nos damos conta de como somos capazes, até termos alguma fratura, alguma dor. A recuperação, digamos que torçamos o pé, nunca é só física. Mas também emocional. Para subir uma escada, com o pé torcido, é preciso da ajuda do outro. De um ombro amigo. Faz com que a gente reduza a velocidade da vida. Uma superação sempre é, também, um degrau a mais em nossa maturidade. A exposição

Henri Matisse Jazz

mostra bem isso. O artista Matisse estava, na década de 40, debilitado – tanto na saúde como em sua mobilidade. Com isso, o artista desenvolveu uma nova maneira de se expressar, a técnica au pochoir. Espécie de colagem, em que Matisse recortava formas e colava os papéis, criando composições coloridas. Problema, solução. A exposição tem esse nome “Jazz”, porque foi no livro, com o mesmo título, que foi publicado 20 obras que Matisse havia produzido.

Caixa Cultural Curitiba – Rua Conselheiro Laurindo, 208 – Centro

Até 4 de setembro, entrada franca

Teatro

É fato que só se muda uma nação através da educação. Principalmente daquela dada às crianças. Crescendo, desde muito cedo, em contato com grandes obras, grandes professores, escolas de qualidade e ambiente adequado para se tornarem o que elas quiserem ser. Eu tenho fé nas crianças. Por isso

Shakespeare para Crianças

é o que eu recomendo, para nós, jovens/adultos, crianças e pessoas de mais idade. Na própria descrição diz que a peça é baseada nas “principais obras do autor adaptada para crianças de 03 a 100 anos”. O espetáculo aborda os clássicos de Shakespeare como Romeu e Julieta, Hamlet, Otelo, Macbeth e A Megera Domada. Até o dia 4 de setembro, aos sábado e domingo às 16h.

Teatro Fernanda Montenegro – Rua Coronel Dulcídio, 517 – Batel

  • Nesta última terça-feira (23), aconteceu a entrega do 36º Troféu Gralha Azul aos melhores do teatro paranaense. O espetáculo vencedor, como o melhor de 2016, foi o

PROJETO BRASIL

Dirigida por Marcio Abreu, a peça foi indicada em 8 categorias do prêmio da Gralha Azul e foi contemplada com 5 troféus. O espetáculo já foi apresentado em várias cidades do Brasil e em 2 da Alemanha.

Gastronomia

Para quem é apaixonado por hambúrguer, Curitiba não se sai mal em agradar estes amantes. Se procurar bem, a gente encontra diferentes lugares que fazem deste cardápio, um prato mega especial. E além de amar todos os tipos de hambúrgueres, para quem gosta de food truck, o evento

Quadra Gastrô

é super acessível aos diferentes bolsos. O evento é a 1° Batalha CWBurger. A “competição” conta com 12 hamburguerias e 12 food trucks. O encontro cobra R$5 de entrada e R$15 em qualquer sanduíche. Eles prometem hambúrgueres de 180 gramas. Nada mal. A “Batalha” vai rolar no próximo final de semana, dias 3 e 4 de setembro.

Setor 9 do Estádio Atlético Paranaense – Rua Buenos Aires, 1260 – Água Verde

Como tento em todos os meus textos mostrar a Curitiba das ruas, do preço acessível, cultural e artística, este texto acredito não ter sido diferente. É possível aproveitar os raros dias de sol que temos em nossa cidade, para fazermos diversas atividades.

E é sempre bom aproveitar todos os dias ensolarados, pois nunca sabemos quando aquela frente fria bem longe de nós, em uma noite de muito vento, pode chegar rapidinho até aqui.

Espero o seu retorno, sugestões e críticas.

Eduardo Martinesco

Leia também...

Deixe um comentário