Diabetes em meu pet

Poucos imaginam, mas a diabetes pode ocorrer em nossos animais de estimação. E o que ouvimos é:

Nossa, mas eu não dou doces para isso ocorrer!

O descontrole dos níveis de açúcar no sangue não ocorre apenas com a ingestão de doces, lembrando que outros alimentos também fazem papel importante em se transformarem em glicose em nosso organismo. Mas no caso dos nossos animais de estimação nem sempre está correlacionado com a alimentação. Mas devido a um distúrbio na produção de metabolitos para realizar a digestão do alimento.

Mas claro, existem os casos que os tutores não dão só ração. Devido ao descontrole da dieta, podem sim desenvolver a diabetes juntamente com a obesidade em seus animais.

Os sinais clínicos são:

Ingestão de muita água

Perda de peso

Animal sente fome toda hora

Urinam bastante e as vezes o tutor se queixa de presença de formigas ao redor da urina

Cataratas

Pelame oleoso

Definhamento da musculatura

As raças mais acometidas em cães são Poodle, Pinscher, Schnauzer, Teckel e Beagle sendo as fêmeas as mais acometidas. Já em felinos, qualquer raça pode desenvolver e os fatores de risco para os felinos é principalmente a idade avançada e a obesidade.

Como é feito o diagnóstico:

O diagnóstico é realizado através de exames de sangue e urina. Após diagnóstico confirmado a terapia instituída para cães será a insulinoterapia e terapia dietética, o tratamento será continuo e será adequado conforme necessidade de cada paciente.

Já nos felinos, o tratamento com a insulinoterapia e mudança da dieta são realizados, mas diferente dos cães, os felinos podem apresentar remissão da doença, não sendo mais necessário a utilização da insulina, lembrando que é algo individual de cada paciente.

Os pacientes diagnosticados com diabetes necessitam de acompanhamento frequente ao veterinário, até o controle dos níveis de glicose no sangue estiverem dentro dos padrões desejados.

Caso o tutor não realize o tratamento adequadamente o paciente pode vir apresentar um quadro chamado de cetoacidose diabética e é necessário leva-lo ás pressas ao veterinário para tentar restabelecer o controle da glicemia no sangue.

Outra complicação observada é o tutor administrar a dose de insulina erroneamente e o paciente fazer quadro de hipoglicemia gerando convulsão.

Uma dica importante aos tutores que possuem animais diabéticos é ter um glicosímetro sempre por perto.

Caso notar que o animal está muito apático fazer a mensuração em casa, se estiver abaixo de 60 mg/ dL ou a cima de 300 mg/ dL mesmo com o uso da insulina ir imediatamente ao seu veterinário para correção do quadro clínico.

Leia também...

Deixe um comentário