Dermatite-de-contato-por-cosméticos

Dermatite de contato por cosméticos

Inspirada nos posts da Karine Wakimoto Hubner sobre dicas de maquiagem para o dia a dia que serão veiculados toda segunda – feira na AE, me ocorreu de falar sobre este tema: Dermatites em face.

Não infrequente é a busca de consulta médica no Alergista por lesões em rosto, sobretudo nas pálpebras, ao redor da boca e nariz e no pescoço. E somos nós as mulheres aquelas mais acometidas por tal dermatose.

De cara suscita a suspeita de Dermatite de contato visto que são as mulheres que mais usam produtos cosméticos desde cremes, esmaltes e maquiagem. Quem de nós não se deleita com essas coisinhas?

Princesas somos desde pequenas mas não é por isso que crianças devam usar make e esmaltes impróprios para sua idade. O uso rotineiro e indiscriminado de produtos cosméticos tem aumentado o diagnóstico destas dermatoses que outrora só eram vistas em adultos e hoje vemos em nossas crianças. Que sirva de alerta a todas nós.

Não se exaspere!!!! Nenhum médico vai, ou ao menos deveria, suspender eternamente todos os seus produtos de uso pessoal.

Mas vamos entender melhor do que se trata tudo isso.

As reações aos cosméticos podem ser de 2 tipos:

  • Dermatite de contato irritativa:

É a mais comum e se manifesta por coceira, queimação, vermelhidão e sensação de “pinicar” momentos após o uso do produto. Aliás, produtos vencidos ou mal acondicionados podem gerar estas reações tóxicas o que confunde com alergias. Nem tudo que coça é alergia!

  • Dermatite de contato por hipersensibilidade:

A verdadeira Dermatite de contato alérgica pois tem mediação imunológica. As lesões costumam aparecer de 1 a 3 dias após o contato com a substância causadora das mesmas e isso pode dificultar seu diagnóstico, a princípio.

As lesões se apresentam como eczemas, ou seja, grosseirões, sendo fixas, com vermelhidão, um pouco de inchaço e conforme melhoram evoluem com uma descamação fina.

Nas dermatites de contato de face não podemos nos esquecer de grandes vilões que, mais até mesmo do que as próprias maquiagens, cremes ou protetores solares, são os grandes causadores de alergias que se manifestam em áreas faciais: os esmaltes.

Por mais que estejam em nossas unhas e não em nossa face, observem que nos tocamos com frequência no rosto e pescoço, onde a pele é bem mais delicada que a área de dedos e mãos. Essa é a explicação para as lesões serem de contato porém distantes do local onde foram aplicadas.

Algumas substâncias usadas na pele como perfumes, cremes e cosméticos em geral se tornam mais reativas se expostas à luz solar podendo causar as fotodermatoses. Trata-se de algo semelhante com aquelas lesões por cítricos (limão principalmente) e exposição solar.

Após tratadas as lesões vem a parte digamos “investigativa”.

Partindo da anamnese – é assim que nós médicos chamamos  aquela conversa em que insistimos para que vocês se recordem do máximo possível de informações – chegamos a alguns suspeitos e partimos para os exames.

Neste caso o Teste de Contato ou Patch teste. Exame bastante trabalhoso realizado por Alergistas e Dermatologistas, mas que tem uma sensibilidade e especificidade bem definidas.

Mas calma, garota, você não vai ter que viver o resto de seus dias de cara lavada e sem esmalte! O que ocorre na realidade é que somos alérgicos a alguns componentes do cosmético e não a todos os cosméticos. Aí está o X da questão.

Temos que identificar quais são esses agentes causadores que, fazendo parte de certos cosméticos que usamos, estão nos fazendo mal, estão nos gerando essas lesões eczematosas de contato.

O Teste de contato ou Patch teste irá definir se você é alérgico e a qual substância o é. Aplica-se este teste nas costas do paciente através de patchs ( retângulos com halos siliconados ou aluminizados onde se coloca os produtos a serem pesquisados), deixa-se este contato por 48 horas, retira-se e se faz a primeira leitura. Mais 48 horas e faz-se a segunda e definitiva leitura do teste. Existem baterias oficiais padrão para tal pesquisa, bem como baterias complementares, por exemplo, bateria para investigar cosméticos, unhas, produtos capilares, etc e etc .

Agora é só eliminar do uso os produtos que contenham as substâncias às quais você é alérgico. Fácil! Fácil? Não, não é fácil não, mas já é um caminho andado. Felizmente bons produtos têm em sua embalagem a descrição de sua composição e boas empresas tem SAC que podem nos atender. Dá um certo trabalho, mas não nos impede de continuarmos usando nossos cosméticos e de nos sentirmos sempre lindas com nossa auto-estima preservada.

Espero ter ajudado.

Um abraço e até breve.

Leia também...

Deixe um comentário