Educação Sexual começa em casa

Considerando que os primeiros interpretes do mundo da criança são o pai e a mãe, os mesmos são os educadores principais para o desenvolvimento do filho.

educacoasexualNão é fácil o papel de educar, principalmente com a educação sexual, que envolve diversos princípios e valores éticos, religiosos, culturais e educacionais, que podem gerar algumas barreiras ou distorções sobre o assunto, ficando difícil de ter uma conversa entre pais e filhos, por ser constrangedor ou por acharem que a conversa irá incentivar o filho a buscar o entrosamento sexual (mais adiante falarei mais sobre isso).

Os professores, parentes, amizades, televisão e a internet também contribuem consideravelmente para o processo de conhecimento e de formação dos valores éticos, a conduta social e o desenvolvimento da sexualidade. Porém, estes outros meios de acesso ao assunto, fica difícil os pais controlarem as informações que chegam até o filho, que podem não serem as corretas, por isso a importância da educação sexual iniciar dentro de casa com os pais e cuidadores. Professores e parentes podem não ter um conhecimento e uma preparação com o assunto, amigos podem incentivar a pontos negativos, as informações da mídia e internet nem sempre são confiáveis. Por isso, vai um alerta também aos pais para saber o que seus filhos assistem na televisão ou o que pesquisam na internet. Na internet podem ter diversas informações úteis, mas também existem muitas coisas que prejudicam o aprendizado correto.

Lógico que os pais não conseguem ter total controle, principalmente com a fase da adolescência, a qual já vão construindo uma independência dos pais. Mas quando existe uma boa comunicação entre pais e filho no processo de educação sobre diversos assuntos desde a fase da infância, facilita para os pais terem uma abertura sempre para pontuar o correto. Quando os pais não conversam, desviam o foco da conversa para não responder, brigam ou mentem para o filho, as “portas de comunicação” vão ficando cada vez mais fechadas, fazendo com que eles não se aproximem para conversar novamente. E é na hora da conversa, que os pais podem pontuar o certo e o errado, isso faz parte da educação.

Muitos pais acreditam que falar sobre o assunto estimula a curiosidade. Estão enganados. Desde criança, já escutam algumas palavras (de amigos, primos, irmãos…), tem acesso à televisão (as novelas e seriados estimulam muito a sexualidade), a internet está ficando mais acessível cada vez mais cedo, ou seja, a criança sem a conversa com os pais, terá muito mais curiosidade, irá procurar em locais com informações inseguras, ela interpretará da sua maneira (nem sempre sendo correta), o que poderá acarretar em problemas.

Analisando o contexto citado acima, é muito mais válido os pais conversarem com os filhos.

Não sabe o que falar? Tente buscar informações, ler sobre o assunto, pois quanto mais informação os pais tiverem, mais preparados estarão para essa conversa.

Muito pais perguntam: “meu filho é uma criança, o que eu falo? ” Em primeiro lugar, não se “descabele” ou demonstre constrangimento. Tenta agir naturalmente (por mais difícil que seja), e devolva a pergunta para a criança, como por exemplo: “o que você sabe sobre isso? ” (Com um tom de voz suave, e não intimidador), que vai dar um tempo para você pensar em uma resposta. Lembre-se, jamais minta ou fique bravo!

Aquela história da cegonha não funciona mais. A criança saberá que não é verdade, e com o tempo e as mentiras ela não irá mais conversar com os pais sobre o assunto. Explique sempre a verdade, lógico, que com o vocabulário de uma criança. Não podemos falar com uma criança do mesmo jeito que falamos com um adolescente, ou com um adulto. Cada fase tem um vocabulário diferente. Mas sempre, a verdade.

O fato de devolver a pergunta para a criança também pode facilitar para os pais formularem a resposta, pois dependendo do que a criança responde, os pais percebem o que a criança queria saber era algo simples, que não precisa de muitas explicações. Se os pais se enrolam para explicar, pode complicar mais o entendimento da criança, portanto, seja direto, pergunte se era isso que ela queria saber, e pronto. Não prolongue muito, pois aí sim a conversa pode ficar enrolada.

Não existe uma idade certa para a criança começar a perguntar sobre sexo, tudo irá depender do contexto em que ela está inserida (casa, escola, amigos, televisão…). Por isso, procure informações sobre o assunto, faça pesquisas, busque a informação correta para passar para eles, e caso achar que precisa de uma ajuda, procure um sexólogo, pois ele irá orientar com a finalidade de tornar este momento de diálogo mais tranquilo.

Quanto mais tranquilidade e menos constrangimento existir na conversa, melhor será para que haja confiança e abertura para o diálogo entre pais e filhos.

A educação sexual faz parte da educação como um todo, portanto, não deixe ela de escanteio.

Boa sorte!

Adriana Visioli

Leia também...

Deixe um comentário

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.