Capitu ou Julieta? Capitu e Julieta!

No Se Capitu se apresentasse a ti, no primeiro dia do outono, e dissesse que aquela é sua estação, qual seria sua reação?

Se Julieta se apresentasse a ti, no primeiro dia da primavera, e dissesse que aquela é sua estação, como seria sua reação?

Temos Capitu e Julieta dentro de nós?

Estereótipos de mulheres tão diferentes e tão iguais. Criadas em séculos, comportamentos e vivências diferentes, mas com histórias tão parecidas… Tão próximas a nós.

Primeiramente Capitu: A mais famosa personagem de Machado de Assis: forte, confusa, uma força da natureza…

“Olhos de cigana oblíqua e dissimulada”

Se casou por amor e tudo o que atraiu Bentinho nela também foi o ápice do ciúme do marido, no fim sua palavra de nada adiantou diante das certezas dele.

Agora é a vez de Julieta:  A protagonista da história mais triste que já existiu…

“ Nunca houve história mais triste que a de Julieta e seu Romeu”.

Como propriedade do pai e sem seu consentimento, se casou bem como consolidou seu casamento – segundo as falas da época – em total sigilo e se matou pelo seu amado, porque ficar longe dele era mais doloroso que um punhal no peito.

Ambas histórias dramáticas e cheias de ensinamentos com mulheres fortes e decididas a fazer o que for preciso pelo que acreditavam e sentiam.

Do mesmo modo que para Capitu, sua força veio quando ela largou Bentinho, louco de ciúmes. Para Julieta, quando morreu por seu Romeu… Há um pouco delas em cada uma de nós mulheres?

Por outro lado qual estação mais combina com Capitu senão o outono… A previsão da caída das folhas, a imprevisão de suas cores, a própria confusão dos pensamentos que Capitu gera, com o frio chegando, sem nunca saber quando, aliado a falta total de planejamento, o não saber o que vai acontecer.

Propriamente o “mar de ressaca” de Capitu.

Nada mais descreve Julieta, tão apaixonada, quanto a primavera? As flores que nascem, o amor incondicional ao outro e às suas paixões. O verão quase lá, o sol todos os dias com a chuva de vez em quando, é mudança e selvageria pura, como a menina no século dezesseis.

Quando as flores nascem e a beleza se espalha, o perfume exala e conquista até o mais sóbrio de todos os corações. Shakespeare se inspirou na primavera para descrever Julieta e foi preciso na descrição da estação interior de uma mulher apaixonada.

Já nós, mulheres, todas temos Julieta e Capitu, algumas menos, outras mais, mas temos.

Além delas temos também Marie Curie, Amelia Earhart, Clarice Lispector, Margaret Thatcher , Rainha Elizabeth. Somos mulheres, somos meninas, somos garotas e temos todas as que vieram antes dentro de nós: nossa alma, nosso coração, nossas lutas. Porque não somos uma, mas todas as estações.

Finalmente, finalizo o texto com uma frase do novo filme da Cinderela: “Seja gentil e tenha coragem Ainda não vivemos metade do que viemos viver. “

Quanto aos leitores que desejam conhecer um pouco mais sobre as histórias: “Dom Casmurro” de Machado de Assis tem Capitu e o clássico Romeu e Julieta estão explicadinhos nos links.

 

Leia também...

Deixe um comentário