Benefícios do Pilates pós-parto

Com o nascimento do bebe, as mamães iniciam uma nova e desafiadora fase na vida. O seu dia-a-dia muda completamente, e seu corpo também.

Ela começa a perceber que seu corpo ainda não está da mesma forma que era antes da gestação. Com todas as mudanças corporais, e com a chegada do bebe, ela é envolta por misto de grandes emoções, que afetam totalmente suas vidas.

O importante é saber que cada corpo responde de uma forma, é único, e é preciso ter paciência nesta fase, pois muitas das transformações físicas da gestação, perduram por um longo período após o nascimento do bebe.


O período conhecido como puerpério tem duração média de 6 a 8 semanas, onde essas modificações que ocorreram no corpo durante a gestação, retornam gradativamente, ao estado anterior à gravidez. Esse período pode ser dividido em três estágios: pós-parto imediato (1º ao 10° dia após a parturição), pós-parto tardio (11° ao 45°) dia e pós-parto remoto (além dos 45 dias), e é neste último, onde nós instrutores de Pilates iniciamos a atuação na maioria dos casos, levando o atendimento até um ano após o nascimento do bebê.

O Pilates no período do puerpério, é muito importante porque, como já vimos anteriormente, durante a gestação ocorrem varias e intensas alterações no corpo da mulher.

Ela é envolta por um turbilhão de hormônios, principalmente a relaxina, a progesterona e o estrogênio, que acabam por deixar os ligamentos e articulações mais frouxas. Além disso, tem o ganho de peso corporal que aumenta a tensão na coluna e articulações sacrilíacas, deixando-as sem estabilidade, podendo apresentar dores.

Essas adaptações posturais, não se corrigem espontaneamente assim que o bebê nasce, por isso a importância de iniciar o trabalho postural o quanto antes.


O Pilates nessa fase, dá ênfase para o fortalecimento da musculatura estabilizadora, afim de minimizar os desconfortos.

Além disso, com o crescimento uterino durante a gestação, ocorre um estiramento da parede abdominal, ocasionando a separação dos feixes dos músculos retos abdominais ao longo da linha Alba (Diástase dos músculos retos abdominais – DMRA).

A diástase associada a diminuição de tônus da parece abdominal, prejudicam a sustentação dos órgãos, e influenciam diretamente na biomecânica postural.

(DMRA)

Considera-se que uma diástase é fisiológica, ou seja, a separação que é considerada necessária para acomodar o bebê, deve ser de mais ou menos três cm, que seria aproximadamente, dois dedos.
Normalmente a DMRA não provoca dor, porém associada a instabilidade do quadril, e baixo tônus muscular, pode gerar dores lombares. Por isso, devemos continuar tendo cuidados, principalmente com a musculatura abdominal, independente do momento em que a gestante chegar no estúdio.
Devemos evitar flexões de tronco (abdominais tradicionais e rolamentos para trás) para evitar o aumento da DMRA. Além disso, devemos enfatizar e ensinar as mamães a associação da respiração, e reativação dessa musculatura estabilizadora e musculatura abdominal profunda, desde assoalho pélvico, transverso do abdômen e oblíquos. Bem como orienta-las para que evitem sobrecarga ao levantar-se, virando sempre de lado.


Contudo, o Pilates pós-parto tem por finalidade auxiliar as mamães a passarem por esse momento tão desafiador, através de exercícios que vão contribuir para sua total recuperação física, além de ajudá-las a entender melhor toda essa transformação.

O Pilates também favorece uma melhora do sono devido diminuição da ansiedade, pelo alongamento e relaxamento muscular durante a prática. Com sua saúde e bem-estar estimulados, as mamães liberam endorfinas e melhoram a sensação de fadiga e cansaço, diminuindo os quadros de depressão pós-parto.

Desta forma você mulher, e agora mãe, terá mais qualidade de vida para cuidar do seu bebê trazendo uma imensa felicidade para os dois!

 

Leia também...

Deixe um comentário