Alienação Parental: um alerta aos pais separados

O convívio entre filhos e pais separados nem sempre ocorre de maneira harmônica, depois do término da relação uma parte considerável de crianças e adolescentes passa a conviver com um dos pais, que com raiva do antigo parceiro, seja por motivos existentes ou até inventados, enfim, por estar desconte com a separação, inicia uma “campanha” no intuito de prejudicar o outro genitor.

A esse conjunto de situações manipuladas pelo alienador, que visa afastar a criança de um de seus pais ou parentes, por motivos particulares, sobretudo por guardar mágoas e sentimentos não resolvidos pelo outro, utilizando a criança como uma “arma” para afastar e magoar o sujeito alienado, gerando uma possível rejeição, dá-se o nome de Alienação Parental.    

O assunto, que tem sido amplamente demonstrado e debatido em programas de repercussão nacional como o “Fantástico” ou a novela da Rede Globo que acabou há pouco “Salve Jorge”, por intermédio do personagem Celso (Caco Ciocler), que constantemente se utilizava de sua filha Raissa (Kiria Malheiros) para atingir sua ex-mulher Antônia (Letícia Spiller), comprometendo a relação entre elas, tem sido também tema de estudos aprofundados de psicólogos e juristas que estão preocupados com as graves consequências deste para os envolvidos.

Tendo em vista que a memória da criança é altamente sugestionável pelos adultos em que confia, é natural que o filho do ex-casal passe a aceitar como verdadeiras as mentiras que estão sendo reafirmadas constantemente por um de seus parentes, pois a alienação pode ocorrer pelos mais diversos envolvidos na relação com a criança, e não necessariamente, apenas por seus genitores.

Condutas impeditivas de convívio com o genitor alienado, verbalizações agressivas sobre ele, interceptação dos meios de comunicação, instalação de sentimentos de culpa e traição na criança no momento de visitação do ex-parceiro, e ainda demonstração de abandono e sofrimento advindos da relação e “esquecimento” de avisar o outro sobre compromissos importantes do filho, são alguns indícios de que a Alienação Parental pode estar ocorrendo.

A partir daí, uma série de consequências já estão presentes, tais como sensação de abandono por parte da criança diante do que acredita estar vivenciando, dificuldade no estabelecimento de relações de confiança, ausência de autoestima, sentimentos depressivos e de culpa, medos constantes, entre outros.

O genitor alienado também passa a sofrer com circunstâncias como a dificuldade de concentração, a extrema ansiedade advinda de uma situação em que não pode controlar haja vista que não é o responsável direto da rejeição da criança para com ele, desestruturação emocional, baixo rendimento profissional e ridicularização social por tudo que está acontecendo.

Diante dos inúmeros efeitos dessa situação que esbarram no direito dos pais participarem ativamente da vida de seus filhos, no ano de 2010 surgiu a Lei 12.318, que coíbe e regulamenta atos contra alienação parental, além de possibilitar o dano moral advindo da restrição de convivência familiar e medidas jurídicas para inibir ou atenuar tais práticas.

Com o advento da lei, o assunto passou a ser mais debatido e conhecido entre as pessoas que vivenciam esse fato e os profissionais que podem auxiliar tais casos, gerando também um maior número de julgados e segurança jurídica àqueles que precisam buscar o Poder Judiciário para tentar resolver tal situação.

Entretanto, inundada em ataques provindos de todos os lados no meio dessa guerra que surge entre os ex-companheiros na disputa da criança, é preciso levar em conta um alerta: o filho do casal é o maior prejudicado de toda a história. É ele quem foi impossibilitado de vivenciar e sentir coisas baseados em aspectos reais da sua convivência com seus parentes, e ao ser influenciado a abdicar deste convívio, perde a possibilidade de sentir-se amado pelos sujeitos que lhe deram a vida e carregar ao longo dos anos aspectos positivos dessa relação, com consequências em sua personalidade que durarão para sempre.

Uma criança ou adolescente que seja filho de pais separados merece passar por isso? Vivenciar e nutrir sentimentos de uma relação que não foi estabelecida por ele próprio é, sem dúvida, algo bastante injusto.

Por isso, sempre quando for possível, a guarda compartilhada é a melhor forma de evitar qualquer tipo de alienação e impossibilitar que a criança passe a acreditar em algo que não é verdade sobre alguma das pessoas a qual ela ama. Se torna muito mais difícil criar uma crença falsa quando a vivência com os genitores é alegre e feliz, e sem dúvidas os reais sentimentos experimentados serão os que ficarão marcados na vida da criança, gerando os sentimentos que ela nutrirá com relação àqueles que lhes proveram amor.

*texto originalmente postado em 08/12/2015.

Leia também...

Deixe um comentário

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.