A verdade sobre a mentira dos pequenos

Olá pessoal! O ano está quase velho mas sendo este o primeiro texto de 2019 preciso começar desejando que ele seja ótimo pra você, seus filhos e sua família! Tomara que tudo o que você desejou e recebeu em votos na virada se realize!

O tema deste texto é bastante importante e causa um pouco de confusão entre os pais e educadores, vamos falar sobre mentira…

É verdade que quando pequenas, as crianças tem dificuldade de separar a fantasia da realidade, nesta fase é possível por exemplo que um sonho ou pesadelo cause um dano, afinal a criança não diferencia o que aconteceu em sua mente quando estava dormindo, daquilo que aconteceu realmente. Isso quer dizer essencialmente que uma criança na faixa dos dois aos quatro anos não está mentindo ao relatar algo que não é real. Nesta fase os pequenos são egocêntricos, pensam que todas as coisas e pessoas existem para rodeá-los e não passa pela cabeça deles a possibilidade de mentir para manipular os adultos, por exemplo.

Isso quer dizer que normalmente uma criança de até quatro anos, desconhece a possibilidade de mentir para seus pais, irmãos, colegas e professores, e o que por vezes elas fazem é fantasiar… Fantasiam que o barulho que escutaram em casa é um monstro, fantasiam que são um personagem de um desenho, e etc.

Quer dizer então que “crianças não mentem” como muitos costumam repetir?  NÃO! Quer dizer que frequentemente até por volta dos quatro anos o que elas falam não são mentiras, e sim frutos de suas fantasias. E isso precisa ser corrigido? Depende, se ou quando a fantasia provoca medo, ou prejudica alguém ou alguma tarefa da criança é necessário que se fale a ela sobre aquela realidade.

Entendido! Mas agora vamos falar sobre mentiras infantis. Como já mencionei até por volta dos cinco anos os pequenos se sentem no centro do universo, e depois que eles percebem que nem o mundo e nem as pessoas coexistem para que eles mesmos possam existir que é possível para eles manipularem a realidade. Por exemplo, quando eu, no alto dos meus cinco anos descubro que meus pais não estavam na escola vendo o que acontecia é que sou capaz de dizer a eles que aquele lápis bonito que eu trouxe para casa foi a minha coleguinha que me deu, escondendo o fato de que eu peguei sem que ela visse. E então, estas pequenas mentirinhas (se é que existem mentiras pequenas) começam a acontecer… E a criança inventa que está com dor para não fazer a tarefa; inventa que a professora brigou para não ir para a escola; inventa que já tomou banho ou escovou os dentes; e por aí vai… E são com essas primeiras mentiras que precisamos ficar alertas, pois são uma excelente oportunidade de ensinar aos pequenos a necessidade de se dizer a verdade!

E como? Primeiramente é necessário saber que estar nessa fase não faz com que tudo o que os pequenos digam sejam mentira, de modo que é importante confiar primeiro. No entanto quando a mentira acontecer vai precisar ser confrontada com a verdade. Por exemplo, agradecer ao colega por ter dado o lápis na frente dos pais, afinal, sejamos sinceros, na maioria das vezes nós não mentimos por medo de sermos descobertos e o constrangimento que isso causaria, e é assim que ensinaremos os pequenos que não pode mentir.

Para concluir, eu não poderia deixar de falar da importância dos pais e educadores prezarem pela verdade, como SEMPRE os adultos envolvidos na educação dos pequenos PRECISAM SER EXEMPLO, nada de mentiras! E também prometer que no próximo mês irei escrever sobre como lidar com a sinceridade dos pequenos sem ensiná-los a mentir, o que afinal são itens muito importantes já que algumas vezes “as verdades” que eles dizem também são demasiadamente constrangedoras.

Leia também...

Deixe um comentário